Confira as seis praias do litoral potiguar que você precisa conhecer

Confira as seis praias do litoral potiguar que você precisa conhecer

Compartilhe esse conteúdo

Conhecida por suas praias ensolaradas, Natal se destaca pelas belezas naturais que encantam visitantes de todas as partes do Brasil e do mundo, oferecendo também condições de lazer e trabalho para a população local que ali ganha seu sustento. As peculiaridades de cada pedacinho de mar que banha a capital potiguar, no entanto, vão além do que está ao alcance da vista. 
 
É possível não apenas vislumbrar as ondas apropriadas para a prática de esportes radicais ou os locais onde se desfrutam de banhos tranquilos em piscinas naturais. Algumas praias da orla urbana são dotadas de vida noturna, como é o caso de Ponta Negra, ou gozam prestígio com a tradição que caracteriza sua culinária, como a ginga com tapioca, vendida a partir de R$ 5,00, na Redinha.
 
A reportagem do NOVO percorreu o litoral potiguar, da Redinha (Zona Norte) até Ponta Negra (Zona Sul), para conversar com turistas, banhistas e trabalhadores da orla, que elogiam o que acham belo neste recanto do Oceano Atlântico e criticam o que deveria ser melhorado pelo poder público, como o reforço ao policiamento e mais investimento em aspectos da infraestrutura como banheiros públicos.
 
No aniversário da cidade que hoje completa 417 anos, no entanto, os versos de Otoniel Menezes, na canção que imortalizou a saga dos pescadores nativos, ainda ressoam nas histórias de amores vividos na beira desta pérola de mar, embalando até hoje serenatas em noites enluaradas e fazendo de Natal um ninho que bem acolhe quem aqui vive ou visita: "Praieira, linda entre as flores deste jardim potiguar".
 
Praia da Redinha: Ginga com tapioca
 
 
Maria do Socorro Souza, 53, repete o mesmo ritual há mais de 10 ano. Extrai os palitos das folhas de coqueiro, limpa e enfileira os peixinhos que serão fritos em azeite de dendê. É assim que ela prepara o prato típico da praia onde vive e trabalha todos os dias. “A ginga com tapioca é uma tradição aqui da Redinha”, comenta enquanto se prepara para fazer mais um petisco na cozinha do seu quiosque, cujo preço está em torno de R$ 5,00.
 
No quiosque um pouco mais à frente, Rayane Lima, 30, conta que passou a vida inteira na praia vendo a mãe fazer ginga com tapioca, mas que esse não é o único atrativo do lugar. Ela cita os preços acessíveis, o bom atendimento e a possibilidade de comprar peixe com os pescadores. “Aqui tem muita pesca. Dá para comprar peixe mais barato e mais fresco direto com o pescador. É uma ótima praia para comer bem e se divertir”, afirma Rayane.
 
 
Jadson Costa, 22, que há 10 anos trabalha em outro quiosque da praia, ressalta, porém, que o local “tem o lado bom e o ruim”. Para ele, “o lado bom é a vista da ponte, o quebra mar onde os turistas podem passear”. Entretanto, para além das belezas naturais, a praia tem problemas como falta de segurança e de infraestrutura.  A principal reclamação é a falta de banheiros na orla. Quem visita a praia da Redinha precisa recorrer aos bares, que cobram uma média de R$ 2,00 pelo uso do banheiro.
 
Praia do Forte: Paisagem histórica
 
 
Localizada no bairro de Santos Reis, a Praia do Forte é conhecida como a que proporciona um dos melhores banhos de mar entre as praias urbanas de Natal. O crédito é dado pelo barraqueiro Canindé Santos, 49, que trabalha na Praia do Meio há 25 anos, mas declara que “o melhor banho de mar é mais na frente, ali na Praia do Forte, onde os arrecifes formam piscinas naturais”.
 
Para além do mar tranquilo, também é possível avistar da praia o Forte dos Reis Magos, uma construção que remonta à época da colonização portuguesa e é considerada um dos pontos turísticos mais importante da capital e do estado. 
 
Praia dos Artistas: boas opções de banho 

A praia está localizada no trecho mais prejudicado pela erosão do calçadão e aguarda as obras de enrocamento. Devido ao comprometimento da estrutura, não havia banhistas ou ambulantes quando a reportagem esteve na praia. 

O motorista de uma empresa de turismo, Raimundo Mendes, no entanto, defende que o trecho do litoral que compreende a Praia dos Artistas, Praia do Meio e Praia do Forte é um dos melhores para banhos de mar. “Ponta Negra tem uma infraestrutura melhor, tem mais hotéis, mais restaurantes, mas aqui tem boas opções para banho de mar, águas limpas e piscinas naturais”, comenta.
 
Praia do Meio: Diversão para o cliente
 
 
Todos os 30 anos de vida de Erivelton de Oliveira foram vividos na Praia do Meio, trabalhando em uma barraca. Para ele, a beleza da praia, o bom atendimento e o fato dos barraqueiros cobrarem apenas o valor consumido, sem custos para utilização de mesas e cadeiras, estão entre os atrativos do local.
 
Para o barraqueiro, os principais problemas da Praia do Meio são a dificuldade de acesso, falta de segurança e os banheiros, que costumam ficar fechados. Enquanto reclamava sobre esses pontos, sua fala foi interrompida por um casal de turistas que procurava um banheiro para trocar de roupa. “É isso que eu estou dizendo. Existem banheiros, mas estão fechados. Ofereci o quiosque do meu pai para eles trocarem de roupa. Os banheiros só ficam abertos duas ou três vezes por semana”, explica Erivelton.
 
Já para Adelma Brito, que também trabalha em um quiosque da praia, o atendimento de qualidade é uma das melhores características da Praia do Meio, enquanto a insegurança é o maior problema tanto para os comerciantes como para os visitantes. “Nós fazemos a alegria aqui. A gente diverte o cliente e reza para que ele não seja assaltado para poder voltar sempre”, ironiza Adelma.

Areia Preta: Na onda do surf

Na Praia de Areia Preta, as pranchas de surf disputam espaço entre as ondas. O vendedor Leonardo Cação mora na Zona Norte de Natal e praticamente todos os dias vai até ali para surfar. A praia é considerada uma das melhores para a prática do esporte por causa do tamanho das ondas. “É o melhor lugar para os surfistas aqui em Natal e é um lugar tranquilo”, comenta Leonardo.
 
Todavia, o problema para aqueles que frequentam a praia de Areia Preta é a falta de estrutura. “Eu acho que deveria ter quiosques e banheiros. As pessoas que vem para a praia ficam sem apoio”, reclama o construtor Marcos Felix, que também frequenta a praia cotidianamente para surfar.
 
Praia de Ponta Negra: Vista para o Morro do Careca
 
 
Omar Martins é natural de Recife e Adriana Martins de Fortaleza. À véspera do casamento, durante viagem de uma cidade para outra, decidiram passar um dia em Natal. O casal escolheu a Praia de Ponta Negra para a curta estadia e Omar declara ter ficado surpreso com a beleza da paisagem. A primeira e última vez que estive em Natal foi em 1975. Quando cheguei agora foi uma surpresa. Hoje de manhã eu abri a janela do hotel e me senti no Mediterrâneo”, relata Omar Martins.
 
A praia de Ponta Negra tem como referência o Morro do Careca, que margeia um dos extremos no mar. De acordo com o trecho da praia, o mar define as atividades esportivas mais apropriadas. Perto do morro é possível praticar stand up paddle ou tomar banhos mais tranquilos de mar. Após uma breve caminhada, é possível encontrar pontos com ondas maiores, procurados por quem pratica o surf.