Estação Ecológica do Seridó ganha guia de aves

Estação Ecológica do Seridó ganha guia de aves

Compartilhe esse conteúdo

Estação Ecológica do Seridó, unidade de conservação (UC) administrada pelo ICMBio no Rio Grande do Norte, acaba de ganhar seu guia de aves. O estudo é fruto de um projeto de pesquisa apoiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), que visa a investigação e divulgação da biodiversidade do bioma Caatinga.

O guia foi desenvolvido pelos pesquisadores Guilherme Toledo-Lima, João Damasceno e Mauro Pichorim, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. O objetivo da publicação é aumentar o acesso às informações sobre as aves da UC, tendo como foco moradores da região e estudantes de ensino médio e fundamental, além de biólogos, ecólogos, educadores e observadores de aves.

“Nosso intuito é despertar o interesse pelas aves da região Seridó e demonstrar a importância da Estação Ecológica para a manutenção da biodiversidade local. Se as pessoas compreenderem um pouco mais a importância das aves que as cercam, certamente contribuirão para a conservação delas, pois entenderão o papel ambiental que elas desempenham”, afirmaram os pesquisadores.

Para George Stephenson Batista, analista ambiental da Estação Ecológica do Seridó, o guia contribuirá para a conservação da biodiversidade. “Com a divulgação do guia para as comunidades do entorno da unidade e da região do Seridó, esperamos que a população fique mais atenta e sensível à prática danosa do crime ambiental de criar aves em cativeiro (ainda comum na região) e com isso possa ajudar os órgãos ambientais a inibir essa prática”, afirmou.

No estudo, foram registradas 202 espécies de aves, aumentando em 34 o número anterior. Duas delas, o bico-de-lacre e o pardal, são espécies exóticas, trazidas de outros continentes.