Histórias e declarações de amor pelos pais 

Histórias e declarações de amor pelos pais 

Compartilhe esse conteúdo

59904a718a8d3601c46c46de.jpg

Arthur e sua declaração de amor ao seu pai Douglas, com ajuda, claro, da mamãe (Foto: Arquivo pessoal)

Em primeiro lugar, feliz Dia dos Pais! É o que se comemora neste domingo. A edição deste final de semana apresenta histórias enviadas pelos leitores sobre seus pais. O NOVO agradece a quem participou dessa ação e compartilha com todo os leitores essas homenagens, algumas alegres outras tristes; umas mais longas outras mais curtas, mas todas com algo em comum: o amor pela figura paterna. O (s) autor (es) do depoimento escolhido por votação entre os profissionais da redação do NOVO vai participar de uma entrevista na segunda-feira (14) ao vivo, às 18h, na Sodiê Doces, na avenida Prudente de Morais, 1869, Barro Vermelho.

"Ele dirigia durante quatro horas para que eu dormisse bem"

Arthur

Oi!! Eu sou o Arthur e tenho três anos. Esse da foto é o meu pai, o Douglas. Nós somos muito amigos e a mamãe diz que somos unidos desde quando eu ainda estava na barriga dela! Por isso, eu e o papai já vivemos muitas aventuras, mas vou contar para vocês a minha preferida...

Eu nasci com Alergia à Proteína do Leite de Vaca (a temida APLV), mas até meus três meses de idade, o papai e a mamãe não sabiam disso. A única coisa que eles sabiam, é que eu tinha muitas cólicas e dificuldade para dormir, o que me deixava irritado, atrapalhava a hora de mamar e prejudicava o meu crescimento.

Um dia, o papai percebeu que eu dormia fácil e profundamente quando estava dentro do carro em movimento. Então, em uma madrugada, depois da minha mamada, o papai me colocou no bebê-conforto e saiu comigo, de carro, para que eu pudesse dormir.

Ele conta que deu 120 - isso mesmo, 120 - voltas na pista entre o posto de gasolina da BR-101 e o portão principal da Base Aérea de Natal, que fica ao lado do antigo aeroporto. Ao todo, foram quatro horas dirigindo para que eu pudesse dormir bem...

Como esse descanso me deixou mais tranquilo, a partir dessa madrugada o papai criou uma rotina: todos os dias, duas vezes por dia, ele saía comigo de carro e dirigia durante quatro horas para que eu dormisse bem e mamasse mais e para que a mamãe também descansasse. Isso durante cerca de um mês e meio!!

Assim, mamando e dormindo bem, eu comecei a crescer e ganhar peso de novo, até que a minha pediatra conseguiu descobrir a minha alergia e iniciar o tratamento...

Essa foi uma das inúmeras demonstrações de amor do papai por mim e é por essa razão, entre muitas outras, que eu amo o meu pai e me orgulho quando dizem que eu sou "a cara do papai"!!

Hoje eu estou curado da alergia, mas ainda gosto muito de dormir no carro, com o papai dirigindo...

(Claro que a história do pequeno Arthur foi contada pela mamãe. Mas é a história dele com o pai Douglas)