Líderes mundiais firmam pacto contra poluição na Assembleia Ambiental da ONU

Líderes mundiais firmam pacto contra poluição na Assembleia Ambiental da ONU

Compartilhe esse conteúdo

Ministros do Meio Ambiente de todo o mundo acordaram nesta quarta-feira (6), durante a Assembleia Ambiental das Nações Unidas (UNEA, na sigla em inglês), em Nairóbi, no Quênia, 14 medidas para prevenir, reduzir e gerenciar a poluição do ar, da terra e do solo, da água doce e dos oceanos, entre as quais destaca-se o fortalecimento e aplicação de políticas mais integradas.

Em uma declaração ministerial na terceira edição do evento, UNEA-3, mais de 100 ministros se comprometeram nesta tarde em Nairóbi a combater a poluição com medidas específicas, a partir da aceleração da aplicação de acordos ambientais e promoção de cooperação entre os acordos multilaterais, convenções, regulamentos e programas existentes para prevenir, controlar e reduzir a poluição.

Desde 2014, a ONU realiza a Assembleia Ambiental, que é a mais importante plataforma das Nações Unidas para a tomada de decisões sobre o tema e marcou o início de um período em que o meio ambiente é considerado problema mundial – colocando, pela primeira vez, as preocupações ambientais no mesmo âmbito da paz, segurança, finanças, saúde e comércio. Em sua primeira edição, a UNEA reuniu mais de 160 líderes de alto nível.

Produtividade inclusiva

Após três dias de intensos debates em Nairóbi - que chegam hoje ao fim -, os líderes acordaram também fomentar a produtividade econômica inclusiva e sustentada, a inovação, a criação de emprego e as tecnologias ecologicamente racionais.

Os governos presentes à UNEP-3 asseguraram também que promoverão estilos de vida e modalidades de consumo e produção mais sustentáveis. Além disso, devido a uma das preocupações refletidas na assembleia corresponder à poluição química, os ministros se comprometeram também a impulsionar políticas e enfoques encaminhados à gestão meio ambiental racional dos produtos químicos e dos resíduos.

Também prometeram seguir desenvolvendo e ampliando as alianças entre os governos, o setor privado, os círculos acadêmicos, os organismos e programas pertinentes das Nações Unidas, os povos indígenas e as comunidades locais, a sociedade civil e as pessoas.

No entanto, apontaram que a luta contra a poluição "não é responsabilidade exclusiva dos governos nacionais", e reivindicaram "o compromisso e a liderança" do setor privado, das organizações internacionais, da sociedade civil e das pessoas no geral.

Sobre a base dos resultados do terceiro período de sessões da UNEA-3, os signatários pediram ao diretor-executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente que apresente, em consulta com o Comitê de Representantes Permanentes, um plano de aplicação, no mais tardar na próxima assembleia.