Natal deve receber dez cruzeiros nesta temporada

Natal deve receber dez cruzeiros nesta temporada

Compartilhe esse conteúdo

A Companhia Docas do Rio Grande do Norte (Codern) estima que Natal deverá receber nesta temporada de cruzeiros marítimos, que começou em novembro e se estende até abril, 10 embarcações de luxo. O número corresponde a mesma quantidade do período anterior.
 
De acordo com companhia, cada cruzeiro transporta, em média, até 500 passageiros e cada um deles gasta aproximadamente  US$ 200 (R$ 638,70, segundo a cotação de ontem) ao passar o dia na cidade, visitando as praias, frequentando shoppings, bares e restaurantes, e ainda fazendo compras. Ao final de uma temporada como esta, quando é esperada a visita de dez embarcações de luxo, pelo menos R$ 3 milhões deverão ter sido injetados na economia local.
 
O primeiro cruzeiro da nova temporada atracou em novembro de 2016: o Seabour Quest, vindo do Caribe, tendo como primeira parada na costa brasileira a capital do Rio Grande do Norte. O navio ficou cerca de 10 horas em águas potiguares, partindo em seguida com 400 passageiros e 100 tripulantes para Recife (PE).
 
Em algumas horas, a vinda dos turistas foi o suficiente para movimentar R$ 300 mil na economia da capital potiguar. A Codern estima que essa é a média que cada cruzeiro movimenta no tempo em que permanece ancorado na costa natalense. 
 
“O diretor presidente da Codern, Emerson Fernandes Daniel Júnior, ressalta que é  importante o apoio do Estado e do Município para inserir Natal em novas rotas de cruzeiros.
 
“A vinda de cruzeiros para Natal tem sua importância não só para a Codern, mas também para a economia local”, afirma. destacando pesquisas que indicam que a maioria dos turistas dos cruzeiros maritimos retorna em outra oportunidade para a cidade, ocupando e beneficiando também a rede hoteleira. “Com apoio do governo e prefeitura poderemos inserir Natal em novas rotas e fortalecer ainda mais a nossa economia”, diz. 
 
Os cruzeiros que chegam a Natal são de luxo. Os passageiros do Seabourn Quest, por exemplo, estavam distribuídos em 225 amplas suítes, sendo 202 com varandas e sete com acesso facilitado para cadeiras de rodas. O navio dispõe de seis bares e salões para serem aproveitados a bordo, assim como um centro de fitness, salão de shows, piscinas, saunas, e uma marina retrátil que permite os hóspedes nadarem, praticarem o snorkel, windsurf, caiaque, ou ski aquático, sem terem que se ausentar do navio.
 
O último cruzeiro a chegar ao porto de Natal em 2016 foi o Hamburg, da companhia Plantours & Partners, que até 2012 era chamado de Columbus C e pertencia a Hapag-Lloyd. Vindo de Cabo Verde, na África, a embarcação tem 144 metros de comprimento e foi construído em 1997. Apesar de ter capacidade para 420 passageiros, chegou na cidade com 245 passageiros. O navio chegou na manhã do dia 8 de dezembro e partiu para Recife (PE) ao final da tarde.
 
A temporada de cruzeiros começou em todo o país. Com uma costa de quase 7,5 mil quilômetros, o país receberá, até abril, sete navios que farão 114 roteiros pelo litoral brasileiro, ofertando 393 mil leitos. Com o objetivo de atrair cada vez mais turistas, as empresas têm oferecido opções de cruzeiros temáticos, que podem ter foco esportivo, religioso, gastronômico, em negócios, musical, para a família ou até literário. 
 
As oportunidades também se estendem para depois do verão e para os rios, como é o caso do projeto “Navegar é Preciso”, que reúne em maio, pelo Rio Negro (AM), os amantes da literatura. As atividades a bordo vão de peças teatrais e shows a encontros com escritores convidados.
 
Plano busca reforçar imagem 
da cidade como destino turístico
 
Natal é uma das cidades do Nordeste mais procuradas por brasileiros e estrangeiros em temporadas de férias, especialmente no verão, mas um plano de marketing, elaborado por uma consultoria privada acompanhada pelo Ministério do Turismo, prevê a diversificação e a promoção de atrativos locais para consolidar a capital como um dos melhores destinos da América do Sul.
 
Segundo o Ministério do Turismo, o objetivo é atingir mercados que se destacam na emissão de viajantes para a capital potiguar e também regiões com potencial neste sentido, contribuindo para reduzir efeitos da sazonalidade. 
 
O programa, que tem prazo de execução de cinco anos, busca otimizar a atuação dos setores público e privado para proporcionar ao visitante novas opções além das já consagradas sol e praia, que contemplem todos os perfis de turistas em diferentes épocas do ano.
 
O trabalho, considerado essencial para períodos de baixa temporada, envolve o incentivo a eventos e a articulação com cidades vizinhas, como Tibau do Sul e Nísia Floresta, a fim de permitir a oferta conjugada de atrativos.
 
O secretário de Turismo de Natal, Carlos Frederico Queiroz, elogia o apoio da pasta federal. “O Ministério acompanhou todo o processo, validando o plano para que seja eficaz. O principal ponto é o aumento do fluxo turístico, com a indicação de mercados onde precisamos investir e a divulgação de nossas potencialidades na mídia”, explica.
 
O plano estabelece ações que garantam a presença de Natal nas principais feiras e eventos de turismo. O ministro do Turismo, Marx Beltrão, observa que o plano reforça a promoção de atrativos do Nordeste e ajuda a fortalecer o setor como importante atividade econômica. 
 
“Esse trabalho se soma aos nossos esforços para divulgar as riquezas do Nordeste e incentivar a procura de destinos, movimentando a economia. A região inclusive é tema de uma campanha publicitária do Ministério do Turismo, que, em breve, vai promover as belezas de todo o país”, adianta.