PM acusado de facilitar fuga em presídio do RN por dinheiro é afastado

PM acusado de facilitar fuga em presídio do RN por dinheiro é afastado

Compartilhe esse conteúdo

O policial militar que foi acusado por um detento de ter recebido propina para facilitar a fuga de 14 presidiários da Penitenciária Estadual de Parnamirim foi afastado se suas funções.
 
A história surgiu depois que um dois 14 presos que escaparam da unidade prisional foi recapturado e, em depoimento à Polícia Civil, relatou a situação. Segundo ele, o acordo era de pagar R$ 30 mil ao policial, para que ele permitisse a fuga. 
 
O servidor ficará afastado das suas atividades até que seja finalizada a investigação que vai apontar se a versão do detento é verdadeira. Caso se confirme o crime, o policial deve ser expulso da corporação.
 
No mês de dezembro passado, outros 19 homens ganharam a rua ilegalmente, saindo também da PEP. À época, o titular da Secretaria de Justiça e Cidadania, Wallber Virgolino, afirmou ter indícios de que a fuga foi facilitada por servidores públicos. Um agente penitenciário também foi afastado do trabalho para as averiguações por conta deste caso.
 
O Sindicato dos Agentes Penitenciários do RN afirmou defender que, sempre que houver denúncias de irregularidades, elas sejam investigadas. “Sem pré-julgamentos e nem generalizações. E caso seja comprovado algo que se aplique as punições adequadas”, declarou a entidade sindical, através da assessoria de comunicação.
 
O NOVO procurou a Polícia Militar para que se pronunciasse a respeito do caso do policial que está sendo acusado. No entanto, até o fechamento desta edição, não obteve retorno.
 
Em novembro do ano passado, um agente penitenciário foi demitido pelo governo após uma investigação que indicou sua participação na fuga de um apenado. O agente teria deixado o preso escapar propositalmente quando estavam no hospital para o presidiário receber atendimento médico. 
 
O fato ocorreu em dezembro de 2015. Contra o mesmo agente carcerário ainda tramita outro processo no qual o servidor é acusado de facilitar mais uma fuga. Esta ocorrida em janeiro de 2016, no Centro de Detenção Provisória do Potengi, na Zona Norte de Natal.