PM é suspeito de matar travesti por 'não gostar de homossexual'

PM é suspeito de matar travesti por 'não gostar de homossexual'

Compartilhe esse conteúdo

Um sargento reformado da Polícia Militar foi preso na última terça (11), na Paraíba, suspeito de matar a tiros uma travesti de 16 anos por "não gostar de homossexual". O crime ocorreu em João Pessoa, capital do Estado.

Segundo o delegado Reinaldo Nóbrega, da Delegacia de Homicídios de João Pessoa, Antônio do Rêgo Sobrinho confessou o crime e disse que "veio ao mundo para acabar com homossexuais" –a declaração do policial foi dada ao programa "Cidade Alerta Paraíba", da TV Correio.

O sargento já respondia a uma ação por tentativa de homicídio contra uma travesti, ocorrida há dois anos. Na ocasião, feriu a vítima com golpes de garrafa. O caso ainda não foi julgado.

Anna Sophia, 16, foi morta numa praça de João Pessoa na noite do último sábado (8).

Segundo relatos de testemunhas, Rêgo Sobrinho estava bebendo em um bar quando a avistou. Ele sacou a arma e disparou vários tiros contra a adolescente, que morava no mesmo bairro. Anna Sophia morreu ao chegar ao hospital.

O sargento fugiu da cidade, mas foi detido três dias depois, no município de Teixeira, a 320 km de João Pessoa. Ele foi encaminhado ao 1º Batalhão da Polícia Militar.

A reportagem tentou entrar em contato com o advogado de Rêgo Sobrinho neste domingo (16), mas não obteve sucesso.

Amigos de Anna Sophia organizaram um ato em sua memória na praça onde ocorreu o crime, na noite deste sábado (15). Em cartazes e discursos, foram reproduzidas mensagens como "Não ao machismo e racismo", "Ser diferente é normal" e "Parem de nos matar".

Na ocasião, foi lançada uma campanha para rebatizar o local com o nome de vítima.