RN inicia projeto de ensino informatizado

RN inicia projeto de ensino informatizado

Compartilhe esse conteúdo

Os alunos da rede pública estadual estão sendo inseridos em um projeto piloto de informatização do ensino e, com isso, devem ganhar um reforço na preparação para o ENEM 2017.

O programa #QueroAprender está sendo implementado pela Secretaria de Estado de Educação e Cultura (SEEC) em três fases. A primeira começou em dezembro do ano passado, com a distribuição de apostilas em escolas de Natal e Mossoró, que devem ser usadas para o nivelamento dos alunos no primeiro mês do semestre letivo, contemplando cerca de 50 mil estudantes.

Com o objetivo de ampliar o acesso a esse conteúdo para os 90 mil alunos da rede estadual, o programa #QueroAprender deu início a sua segunda fase no mês de abril, desenvolvendo plataformas de ensino online.

Através do SigEduc, os estudantes têm acesso a turmas virtuais, vídeo aulas, simulados e apostilas, que devem servir de suporte no aprendizado e na preparação para o Exame Nacional do Ensino Médio.

De acordo com o professor que está coordenando a iniciativa, João Maria de Lima, além de ampliar o acesso dos alunos a educação, o programa também funciona avaliação do ensino público no estado e das deficiências dos alunos.

“A partir dos resultados dos simulados e das atividades, temos um mapeamento das maiores dificuldade dos alunos. Essa avaliação pode ser dividida por escolas ou por cidades, o que vai auxiliar para traçar as metas de 2018 e planejar os próximos programas”, explica o professor.

Apesar do sistema fazer o registro de erros e acertos para esse mapeamento futuro, os alunos não tem uma obrigatoriedade com nota e devem utilizar o sistema para ampliar e testar seus conhecimentos.

O SigEduc é baseado no Sigaa (Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. A ferramenta é utilizada por alunos quanto pelos professores que tiverem interesse em ampliar os meios de comunicação e interação com seus estudantes. O projeto também contam com uma página no Facebook, que visa estreitar essa relação.

Todas as áreas do conhecimento devem ser contempladas com conteúdos online. Segundo João Maria Lima, desde o dia 01 de abril – quando o serviço começou a ser utilizado pelos estudantes – matemática e redação estão entre as áreas de conhecimento mais acessadas.

Para o professor, esse interesse também reflete indicadores históricos do Rio Grande do Norte, que costuma apresentar baixo desempenho em ciências da natureza, matemática e linguagens em todas as avaliações nacionais.

João Maria de Lima diz que a maior dificuldade no início da implementação do programa é a adesão dos professores.

“Ainda temos alguns docentes que não se sensibilizam com a causa e ainda não se acostumaram com o uso da tecnologia em sala de aula. Ainda é preciso motivar esses professores”, lamenta a o coordenador.

Atividades paralelas de incentivo a aprendizagem

O SigEduc não deve ser uma iniciativa isolada dentro do programa #QueroAprender. A partir de maior, quando começarem as inscrições para o Enem 2017, os alunos devem ter aulões preparatórios para as provas do Exame Nacional do Ensino Médio em todas as zonas de Natal.

Outra atividade prevista pelo projeto é a realização de palestras motivacionais nas escolas estaduais do Rio Grande do Norte.

“O intuito das palestras é sensibilizar e motivar os alunos, mostrar para os jovens que a educação é uma forma de mudar de vida”, ressalta João Maria de Lima. As palestras serão oferecidas para as escolas que solicitarem à Seec.

O QueroAprender também deve divulgar e incentivar boas práticas desenvolvidas pelas escolas através do SigEduc. “Temos escolas da rede estadual com projetos de combate ao bullying ou com trabalho de artes visuais que podem ser levados para outras instituições. A ideia é que o sistema possibilite esse diálogo para que as boas práticas possam ser reproduzidas em outras unidades de ensino”, reitera João Maria de Lima.

Terceira fase de implementação

A próxima fase do programa #QueroAprender consiste no desenvolvimento de um aplicativo, possibilitando que o conteúdo digital do SigEduc seja acessado pelos alunos através do celular.

O software está sendo desenvolvido através de uma parceria com a Universidade Estadual do Rio Grande do Norte e tem lançamento previsto em julho deste ano.

De acordo com João Maria de Lima, o aplicativo é fundamental para aproximar os alunos da escola. “Mesmo entre as escolas públicas, praticamente todos os estudantes tem um smartphone e nós acreditamos que esse é o melhor caminho para falar a mesma linguagem que o aluno”.

A responsável pela Secretaria de Estado de Educação e Cultura, Cláudia Santa Rosa reforça que uma das vertentes mais importantes do programa é possibilitar que o aluno aprenda onde ele estiver, sem limitar o tempo de aprendizagem ao tempo das aulas.

“É um projeto muito importante, pois amplia o acesso dos alunos ao estudo. Estamos oferecendo um conteúdo de qualidade e que não se restringe ao espaço convencional da sala de aula”, alega a secretária.

Segundo Cláudia Santa Rosa, para dar suporte ao projeto, 20 escolas entre Natal e Região Metropolitana tiveram os laboratórios de informática reestruturadas e estão recebendo a instalação de internet com fibra ótica. A informatização faz parte de uma parceria entre o Governo do estado e o instituto Metrópole Digital, da UFRN, e em maio a ampliação desse projeto deve ser discutida.