Saiba como cuidar do seu pet no verão

Saiba como cuidar do seu pet no verão

Compartilhe esse conteúdo

No Brasil, todos os anos começam e terminam com o clima ensolarado do verão. Natal, por sua vez, durante muitos anos foi conhecida como a “cidade do sol”, devido às poucas chuvas e altas temperaturas que caracterizam o clima da cidade. Além de representar um período de férias, praia e alegria, o verão pode trazer alguns problemas como desidratação e doenças dermatológicas causadas pelo excesso de calor. 
 
Estes problemas que se intensificam durante a época mais quente do ano também afetam os pets. Caso o tutor não esteja atento a questões como alimentação, banhos, tosa e horários de caminhada, o período pode se transformar em um incômodo para o seu animal.  Por isso, o NOVO preparou um guia com os principais cuidados que você deve ter para manter o seu bichinho saudável durante o verão. 
 
 
De acordo com o veterinário Fabrício Marinho, os cuidados com os animais nos dias mais quentes estão todos baseados em evitar exposição ao sol entre 10h e 16h e manter o seu pet hidratado. “Com a chegada do verão e aumento da temperatura, a nossa preocupação com o bem estar dos animais deve ser redobrada. Eles também precisam de tempo para se adaptar ao calor e a umidade, mas diferente dos humanos eles não transpiram. A respiração é a único mecanismo responsável por controlar a temperatura corporal dos animais”, explica.
 
E complementa “em dias mais quentes eles tendem a trocar mais calor com o ambiente, então os animais podem ficar desidratados e apresentar sintomas como vômito ou falta de apetite. A pele também é outra preocupação, pois a exposição excessiva ao sol pode causar problemas dermatológicos, como fungos, feridas e até câncer de pele”. 
 
Cuidados 
com a pele
 
No verão os animais ficam mais suscetíveis a doenças dermatológicas como fungos, infecções bacterianas, feridas e câncer de pele. De modo geral, esses problemas são causados por exposição excessiva ao sol.
 
O recomendado é que os animais não sejam expostos ao sol entre às 10h e às 16h, principalmente os cães e gatos albinos, que são mais sensíveis a exposição solar e mais suscetíveis a problemas dermatológicos. 
 
Com exceção aos animais que já possuem algum problema de pele, o ideal é que a frequência dos banhos seja de uma vez por semana, o que mantém o pelo hidratado e ajuda o seu animal a enfrentar o calor. Após o banho, é preciso ficar atento para secar bem o pet. Deixar o pelo úmido pode causar problemas de pele, como dermatites.
 
Além das doenças dermatológicas, a proliferação pulgas, carrapatos e insetos transmissores de doenças é maior durante o verão, pois o calor e a umidade criam um ambiente mais propício e esses insetos. É recomendado usar repelentes próprios para animais e evitar locais com muitos cães ou gatos porque grande parte destes problemas pode ser transmitida de um animal para o outro.
 
Alimentação
 
É preciso garantir que o seu bichinho de estimação esteja hidratado para que ele não tenha problemas com a chegada do verão. O ideal é que um animal beba 60ml de água por quilo, de acordo com o seu peso corporal. Ou seja, um cachorro de 10kg deve consumir em média 600ml de água por dia. Para quem não tem tempo de fazer essa contabilização, o recomendado é manter o pote de água do seu cão ou gato sempre cheio com água limpa e fresca.
 
Nos dias mais quentes, é comum que os animais percam o apetite. Nestes casos, a dica é escolher horários mais frescos para oferecer comida ao animal.
 
Alguns alimentos, como frutas e legumes também podem ser oferecidos como petisco para auxiliar na hidratação e na nutrição do animal. Dentre as frutas que podem ser oferecidas estão melancia, melão e banana, por exemplo.
 
Uma opção para manter o animal refrescado são dindins voltados para cachorro, como os da Creamydin da Lu. A estudante de medicina veterinária, Luana da Silva, há dois meses trabalho produzindo dindins de fruta adoçados com mel. “As pessoas tem procurado bastante porque é uma boa opção para refrescar o animal durante o verão”, explica.
 
Atividades físicas
 
Os animais precisam manter uma rotina de atividades físicas para socializar com outros pets e combater problemas de saúde como a obesidade. Durante o verão, o tutor precisa ficar atento com o horário dos passeios e das atividades para que a caminhada no parque não se torne prejudicial, causando fadiga, desidratação e queimaduras.
 
A principal recomendação dos veterinários para o período mais quente do ano é que os passeios sejam feitos entre o final da tarde e o início da manhã, quando as temperaturas estão mais amenas. Fazer pequenas pausas na sombra e oferecer água ao pet durante a caminhada é importante para manter o seu animal hidratado.
 
“Os donos devem evitar caminhar com o animal entre às 10h e às 16h. Eles podem ter hipertermia, que é um aumento na temperatura corporal, podendo chegar até 40ºC. Este aumento na temperatura pode provocar vômito, edema pulmonar e até parada cardíaca nos casos mais graves”, recomenda o veterinário Fabrício Marinho.
 
Ao caminhar com o seu cachorro é importante acompanhar o ritmo do animal e parar para descansar sempre que ele apresentar sinais de fadiga. Raças como pug e buldog, por exemplo, tem dificuldade ao respirar por causa dos focinhos mais curtos. Para os donos desses animais, o cuidado na hora de praticar atividades físicas deve ser redobrado.
 
Também é possível adquirir meias e sapatos próprios para cachorros. O acessório protege contra as queimaduras que são frequentes nas patas devido ao contado com o asfalto.
 
Gatos
 
Embora os problemas causados pelo calor sejam semelhantes entre cães e gatos, o veterinário Fabrício Marinho explica que é mais fácil aplicar esses cuidados aos felinos.
 
 
“As preocupações são as mesmas, mas os gatos têm hábitos diferentes. Eles são mais caseiros então ficam menos expostos aos raios solares. Se você tentar fazer com que um gato passeie em horários em que o sol está muito forte ele provavelmente não irá”, exemplifica.