Os melhores papéis de Debbie Reynolds

Os melhores papéis de Debbie Reynolds

Compartilhe esse conteúdo

Beleza? Tristeza? Talvez somente em melodramas clássicos como Mãe Redentora, de King Vidor, algum roteirista poderia imaginar a situação. A mãe, tão amargurada pela perda da filha, morre também. Foi o que ocorreu com Debbie Reynolds. Na quarta, 28, o jornal "O Estado de S. Paulo" lembrava que não é fácil para uma mãe - mãe nenhuma - enterrar a filha. "Que a Força esteja com Debbie", escreveu o repórter. Não foi suficiente. Naquele mesmo dia, à noite - um dia após a morte de Carrie Fisher, a eterna princesa Leia -, sua mãe não resistiu. Na casa do filho, Todd Fisher, Debbie teve um AVC. Chegou a ser atendida, mas não adiantou. Morreu de dor, de tristeza. Aos 84 anos.

E não que não fosse forte. Em 1958, Debbie - nascida Mary Frances Reynolds, em 1932 - tinha 26 anos. O marido, o cantor Eddie Fisher, e ela eram muito amigos do casal mais célebre de Hollywood, na época - o produtor Mike Todd e sua mulher, a estrela Elizabeth Taylor. Todd morreu num acidente aéreo, Fisher foi consolar a viúva. Nem voltou para casa. Naquele mesmo ano, e por um breve período, já estava casado com Liz. Abandonou mulher e filhos - Carrie tinha 2 anos. Debbie resistiu bravamente. Casou-se de novo e depois segurou muitas vezes a instabilidade emocional da filha. Carrie sofria de transtorno bipolar, era drogada. Mamãe manteve-se firme. Administrava a própria carreira e ainda tinha tempo para benemerência - chegou a ganhar o Jean Hersholt Award, com que a Academia de Hollywood agracia aqueles que, na indústria, se destacam pela ação humanitária.

Esse comprometimento com o outro - os outros - deve-se, muito provavelmente, à rígida educação religiosa que Debbie teve, na infância e adolescência, na Igreja Protestante do Nazareno. Isso não a impediu de desenvolver certas aptidões - canto, dança - nem se candidatar num concurso de miss, que, por sinal, venceu. Chamou a atenção de olheiros do estúdio Warner, foi contratada e estreou num papel secundário de June Bride, em 1948, com apenas 16 anos. Aos 20, em 1952, já estava na Metro, quando fez Cantando na Chuva, de Stanley Donen e Gene Kelly, considerado um dos grandes e, por muitos, o maior musical do cinema. Cantar e dançar com Kelly e Donald O’Connor garantiu-lhe a imortalidade.

Sem ser uma beldade glamourosa - como Taylor -, Debbie estava mais para a garota da porta ao lado. O casamento com Eddie Fisher ajudava nessa aura de ‘normalidade’ com que o público se identificava com ela. O escândalo do divórcio - com Liz como pivô - transformou-a em vítima. Com exceção de um hiato considerável - entre 1975 e 89 -, nunca parou de filmar. Um ou mais filmes, ou telefilmes, por ano, todos os anos, até 2009. E, depois, ainda, participações especiais em 2012 (One for the Money) e 13 (Minha VIda com Liberace). Embora extensa, sua filmografia não é brilhante, salvo em momentos pontuais.

Todo mundo já lembrou Cantando na Chuva, claro, mas, para permanecer no musical, vale lembrar também A Inconquistável Molly, de Charles Waters, que a candidatou ao Oscar de 1964. Debbie tinha o physique du rôle para ser Molly Brown, texana pobre que ficou milionária graças ao petróleo e sobreviveu ao naufrágio do Titanic - na versão de James Cameron, Kathy Bates fazia o papel. Cantar e dançar no transatlântico que afundava não foi o menor dos desafios de Debbie como atriz. Fez western (o épico A Conquista do Oeste, nos episódios assinados por Henry Hathaway e George Marshall) e teve seu maior momento no drama no grand guignol Obsessão Sinistra, de Curtis Harrington, de 1971. Na linha de O Que Terá Acontecido a Baby Jane?, do mesmo autor, Henry Farrel, Debbie e a irmã (Shelley Winters) aprontavam em Hollywood, nos anos 1930. Tudo isso lhe valeu a estrela na Calçada da Fama e o lugar no coração dos fãs. O maior deles? Rubens Ewald. Rubinho sempre foi devoto de Debbie Reynolds.