Comércio potiguar em Pauta - Coluna da Fecomércio

Comércio potiguar em Pauta - Coluna da Fecomércio

Compartilhe esse conteúdo

 

  

Comércio potiguar tem vigésimo mês seguido de queda

O Comércio Varejista potiguar voltou a registrar queda nas vendas no mês de fevereiro, segundo dados do IBGE. Após o tombo de 8,8% registrado em janeiro (sobre janeiro de 2016), no segundo mês do ano, a queda foi de 4,4% (sobre fevereiro de 2016), o que levou o acumulado do primeiro bimestre deste ano a registrar retração de 3,4% sobre o mesmo período do ano passado. Com o número de fevereiro, o RN atingiu o vigésimo mês seguido de queda nas vendas, uma sequência histórica e que deixou o presidente da Fecomércio RN, Marcelo Queiroz, apreensivo. “Não posso dizer que os números nos surpreenderam, mas também preciso dizer que eles nos assustaram. Infelizmente, pelo que temos conversado com empresários e sentido no dia a dia das empresas, esta toada de retração deve seguir ainda em março e abril, fechando o primeiro quadrimestre de 2017 com queda acentuada de vendas. A situação do comércio, que é um dos pilares da nossa economia, é cada vez mais preocupante”, afirmou ele.

 


RN Vida

O presidente do Sistema Fecomércio RN, Marcelo Queiroz, e o governador do Estado, Robinson Faria, assinaram na terça-feira, 11, a renovação do convênio que garante a continuação, até o final deste ano, das atividades do RN Vida. Por meio do Sesc, o Sistema Fecomércio oferece aos participantes – que têm idade entre 7 e 16 anos – atividades de arte, cultura, lazer e esportes, além do fardamento. A instituição oferece ainda aulas de iniciação musical, disponibilizando instrutores e os instrumentos musicais. A parceria iniciou em 2013, e o Sistema Fecomércio já investiu cerca de R$ 500 mil no RN Vida. Somente este ano, serão quase R$ 200 mil investidos no projeto.

Fotografia
O Senac RN lançou três novas turmas do curso “Iniciação à Fotografia”. Nesta capacitação, durante 50 horas de aulas, o participante aprenderá a utilizar a máquina fotográfica digital amadora ou semiprofissional, explorando suas potencialidades técnicas e estéticas, bem como noções de tratamento de imagem. Há opções de aulas nas unidades do Alecrim e da Zona Sul, em Natal.

Gastronomia
O Senac RN abriu matrículas para diversos cursos na área de gastronomia em Natal. Há opções de oficinas de curta duração, como Culinária Francesa, Culinária Japonesa: Sushi e Sashimi, Decoração Artística de Bolos e Tortas e Preparo de Cupcake e Brigadeiro Gourmet; bem como cursos que proporcionam conhecimentos mais aprofundados como Cozinheiro e Técnicas de Confeitaria. Os detalhes sobre as capacitações podem ser acessados no site www.rn.senac.br.

Corrida do Comerciário
Se você ainda não fez a sua inscrição para a Corrida do Comerciário é melhor se apressar. As inscrições encerram no próximo dia 19 e são feitas através do www.sescrn.com.br. São 1.900 vagas divididas em quatro categorias (comerciário, comunidade, infantil e portadores de deficiência). A corrida acontece no dia 1º de maio, no Sesc Zona Norte, localizado na Rua Paranduva, s/n, bairro Potengi, com largada da corrida infantil às 16h, e para os adultos às 17h.

Capacitação Profissional em Mossoró
A busca por aperfeiçoamento está entre as principais necessidades para se manter de forma competitiva no mercado profissional. Para promover o acesso à capacitação de qualidade, o Sistema Fecomércio RN, por meio do Senac, abriu matrículas para mais de 30 cursos profissionalizantes em Mossoró. Os treinamentos estão distribuídos em diversas áreas, entre elas, Beleza, Hospitalidade, Informática, Gestão, Comércio, Meio Ambiente, Saúde e Segurança. Os interessados podem buscar outras informações no telefone (84) 3422-5000 ou no site www.rn.senac.br.

Esem 2018
O Serviço Social do Comércio está com inscrições abertas para a Escola Sesc de Ensino Médio situada no Rio de Janeiro. O projeto pioneiro de educação no país oferece bolsas integrais de ensino para alunos de todo o Brasil cursarem os três anos de ensino médio, com direito a todo o material pedagógico (incluindo um notebook), uniformes, moradia, alimentação, assistência médica e odontológica. As inscrições seguem até o dia 05 de maio pelo
www.escolasesc.com.br/inscricoes2018

Cursos de Valorização 
Até junho, o Sesc RN oferece uma ampla variedade de cursos nas áreas de Empreendedorismo e Aperfeiçoamento, Habilidades Manuais e Corte e Costura. As aulas acontecem no Sesc Cidade Alta, Zona Norte e Caicó. Confira a tabela geral dos cursos e mais informações no www.sescrn.com.br

________________________________________
*Coluna semanal do Sistema Fecomércio RN 

Confiança da Indústria sobe e atinge em abril maior nível desde maio de 2014

Compartilhe esse conteúdo

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) avançou 0,5 ponto em abril, indo para 91,2 pontos e mantendo o nível desde os 92,2 pontos de maio de 2014. Os dados relativos à Sondagem da Indústria de Transformação foram divulgados ontem (28), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

A publicação indica que a alta de confiança do setor atingiu 11 de 19 segmentos industriais pesquisados, “como resultado da combinação da melhora das expectativas com suave piora nas percepções sobre a situação atual”.

Com isso, o Índice de Expectativas (IE) avançou 1,3 ponto para 94,4 pontos, o maior nível desde os 96,9 pontos de abril de 2014; enquanto o Índice da Situação Atual (ISA) caiu apenas 0,2, atingindo 88,3.

Na nota em que informa a comportamento da indústria de transformação, a FGV faz uma avaliação da situação do setor feita pelo superintendente de Estatísticas Públicas da FGV. Nela, Aloisio Campelo afirma que o resultado positivo de abril retrata “um setor ainda insatisfeito com a situação presente dos negócios, mas bem menos pessimista quanto ao futuro do que esteve no ano passado”.

Para ele, “enquanto o nível de produção avança lentamente e a percepção sobre a demanda volta a piorar, a boa notícia é a consolidação do avanço do otimismo com relação ao ambiente de negócios no horizonte de seis meses”.

Melhora das expectativas

O economista da FGV avalia, ainda, que a melhora das expectativas com a evolução do ambiente de negócios foi fundamental para a alta do Índice de Expectativa no mês, com o indicador subindo 3,3 pontos, somando 97,2 pontos, o maior nível desde os 98,3 pontos de abril de 2014.

“Houve aumento da proporção de empresas prevendo melhora da situação dos negócios nos seis meses seguintes, de 30,7% para 39,7%, e queda das que preveem piora, de 11% para 10,4% do total”, disse o economista.

A FGV constatou, ainda, que as avaliações do setor sobre a demanda exerceram a maior contribuição sobre o Índice da Situação Atual em abril. Influenciado pela piora no mercado interno, o indicador de nível de demanda caiu 1 ponto entre março e abril, indo para 82,9 pontos, retornando ao nível registrado em fevereiro deste ano.

Paralelamente, houve aumento da parcela de empresas que avaliam o nível de demanda como forte, passando de 6,2% para 8,3%. No entanto, houve aumento, de maior magnitude, da parcela dos que consideram fraco este nível de demanda, de 36,9% para 45,7%.

Ainda assim, o Nível de Utilização da Capacidade Instalada subiu 0,3 ponto percentual em abril, para 74,7%. Segundo informações da FGV, a edição da Sondagem da Indústria de Transformação de abril coletou informações de 1.070 empresas entre os dias 3 e 25 deste mês.

Bandeira tarifária vermelha deixará conta de energia mais cara em maio

Compartilhe esse conteúdo

A bandeira tarifária vermelha é acionada quando é preciso ligar usinas termelétricas mais caras, por causa da falta de chuvas. Como o sinal para o consumo é vermelho, os consumidores devem fazer uso eficiente de energia elétrica e combater os desperdícios. Com isso, as contas de luz de maio terão bandeira tarifária vermelha patamar 1, o que representa um acréscimo de R$ 3 para cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. Este é o segundo mês em que a bandeira vermelha é ativada neste ano.

Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o sistema de bandeiras tarifárias sinaliza o custo real da energia gerada, possibilitando aos consumidores o uso consciente. As cores verde, amarela ou vermelha (nos patamares 1 e 2) indicam se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração de eletricidade. Recentemente, o diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino, disse que as contas de luz deverão continuar com a bandeira vermelha patamar 1 até o fim do período seco, que vai até novembro.

O sistema de bandeiras tarifárias foi criado em 2015 como forma de recompor os gastos extras com a utilização de energia de usinas termelétricas, que é mais cara do que a de hidrelétricas. A cor da bandeira é impressa na conta de luz (vermelha, amarela ou verde) e indica o custo da energia em função das condições de geração.

Quando chove menos, por exemplo, os reservatórios das hidrelétricas ficam mais vazios e é preciso acionar mais termelétricas para garantir o suprimento de energia no país. Nesse caso, a bandeira fica amarela ou vermelha, de acordo com o custo de operação das termelétricas acionadas.

Prefeitura do Natal paga 39% da folha de abril neste sábado

Compartilhe esse conteúdo

A Prefeitura do Natal inicia o pagamento da folha do funcionalismo relativa ao mês de abril. Neste sábado (29), recebem seus vencimentos os servidores da Agência Reguladora de Serviços de Saneamento Básico do Município do Natal (Arsban), Instituto de Previdência dos Servidores do Município de Natal (NatalPrev), Magistério, trabalhadores da Companhia de Serviços Urbanos de Natal ( Urbana) que ganham até R$ 6.000 mil reais, bem como os ativos, inativos e pensionistas da administração direta com salários na faixa de R$ 1.000 reais. São quase R$ 17 milhões de reais circulando na economia da cidade.

Com isto, a gestão municipal paga os salários de 8.194 servidores. Este universo representa 39% do total do funcionalismo público municipal. A sequência dos pagamentos vai acontecer de acordo com o comportamento das receitas do município.

Tudo que você precisa para a entrega de última hora do Imposto de Renda

Compartilhe esse conteúdo

Termina hoje (sexta-feira, 28) às 23h59, o prazo para a entrega das declarações do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) 2017, referentes ao ano de 2016. A declaração é obrigatória para quem recebeu rendimentos superiores a R$ 28.559,70 no ano passado.

Quem perder o prazo está sujeito ao pagamento de multa mínima de R$ 165,74 e máxima de 20% do imposto devido. O programa gerador da declaração está disponível no site da Receita Federal.

Deixar a declaração para a última hora é um comportamento recorrente, segundo a Receita. No entanto, erros no preenchimento ou falta de informações podem fazer com que o contribuinte caia na chamada malha fina e fique em situação irregular perante o Fisco.

Antes de mais nada, tenha em mãos os documentos necessários listados abaixo. Em seguida, veja como preencher. É importante ter o número do recibo da declaração passada do IRPF.

INFORMES DE RENDIMENTOS

Salários ou pró labore (para autônomos)

Aposentadoria ou pensão do INSS

Investimentos (aplicações financeiras tributáveis)

Aluguéis recebidos de bens móveis e imóveis

BENS E DIREITOS

Documentos que comprovem a compra ou venda de imóveis, veículos e outras posses, extrato de conta bancária

Saiba como declarar:

Faça download do programa do IRPF 2017

O download do programa do IRPF 2017 pode ser feito diretamente no site da Receita Federal. Na página, você escolhe se baixa o programa

para computador ou o aplicativo para dispositivos móveis (Android ou iOS).

Preencha os dados

Logo na tela inicial, o programa vai pedir para você colocar o seu nome e CPF. Preencha e aperte “OK”. Caso você queira continuar o preenchimento em outra oportunidade, só vai precisar clicar em “abrir declarações recentes”. Ainda há a possibilidade de você importar os dados do IRPF 2016 ou a declaração pré-preenchida. Caso você tenha declarado Imposto de Renda em 2016, o programa vai pedir o número do recibo da última declaração.

Dependentes e alimentandos

Depois de preencher os dados básicos, você deve colocar os dados de dependentes e alimentandos na declaração. Para incluir dependentes ou alimentandos, é só escolher a aba (“dependentes” ou “alimentandos”), clicar em “novo” e preencher os dados. Na hora de declarar o dependente ou alimentando, é preciso preencher o nome, CPF (para quem tem mais de 12 anos) e data de nascimento. A mesma pessoa não pode ser declarada como dependente e alimentanda. Por cada dependente, você terá desconto de R$ 2.275,08, além dos gastos dedutíveis com ele.

COMPROVANTES DE DESPESAS

Recibos ou notas que comprovem gastos com educação e saúde (para abatimento)

OUTROS

Comprovantes de dívidas contraídas ou pagas no ano-base 2016

Informe de pensão alimentícia

Comprovantes de doações ou herança recebida

Apuração mensal do imposto no ganho de capital (lucro) com compra e venda de ações

Caso tenha alguma dúvida sobre dependentes, gastos com saúde, veículos, FGTS e outros, vejas as respostas dadas pelo Sindifisco Nacional.

Rendimentos

No programa da Declaração do Imposto de Renda, os rendimentos são divididos em “tributáveis recebidos de pessoa jurídica”, “tributáveis recebidos de pessoa física/exterior”, “isentos e não tributáveis”, “tributáveis de PJ” e “recebidos acumuladamente”. Ter o comprovante anual de rendimentos é necessário para você colocar os valores corretos.

O primeiro campo que você vai preencher é o de rendimentos “tributáveis recebidos de pessoa jurídica”. É nessa aba que deve ser declarado o ganho com salários, décimo terceiro salário e pagamentos como contribuição previdenciária e imposto retido da fonte. Ganhos com prestação de serviço de pessoas físicas para pessoas jurídicas também devem ser declarados nesse campo. Você deve colocar o CNPJ da fonte pagadora e deve declarar, se for o caso, os rendimentos recebidos por dependentes.

No item “rendimentos isentos e não tributáveis” devem ser declarados os ganhos com bolsas de estudos, alguns tipos de investimentos, restituição do Imposto de Renda e outras fontes.

Para terminar esta parte, o contribuinte tem que declarar os “rendimentos sujeitos à tributação exclusiva” (que inclui participação nos lucros, rendimentos de aplicações financeiras e juros sobre capital próprio) e “rendimentos recebidos acumuladamente’ (relativos a outros anos, mas recebidos no último ano-calendário).

Bens e direitos

Antes de checar se está tudo certo e entregar a declaração, ainda é preciso preencher os campos que falam a respeito de “bens e direitos” e “dívidas e ônus”. Eles não vão modificar o valor devido do Imposto de Renda, mas devem ser declarados para evitar que a pessoa caia na malha fina.

Devem ser declarados imóveis, veículos, embarcações e aeronaves, bens móveis com valor maior do que R$ 5 mil (como joias), saldos de conta-corrente, poupança e demais aplicações financeiras que tenham mais de R$ 140 e conjunto de ações, cotas ou quinhão de capital de uma mesma empresa cujo valor seja igual ou superior a mil reais.

Um detalhe importante: financiamentos de imóveis não devem entrar no campo “dívidas e ônus reais”. Eles devem ser descritos no item “situação” do campo “bens e direitos”.

Entrega

Depois dos preenchimentos, finalmente chegou o momento de entregar a Declaração de Imposto de Renda. A primeira ação que você deve fazer é entrar no campo “pendências” e verificar se já alguma informação incompleta na declaração. Feito isso, é preciso escolher entre o tipo de declaração que você vai fazer: por Deduções Legais ou Desconto Simplificado.

Desemprego recorde atinge 14,2 milhões de brasileiros, diz IBGE

Compartilhe esse conteúdo

 

O desemprego atinge 14,2 milhões de brasileiros no trimestre encerrado em março de 2017 e bate o recorde da série histórica, segundo divulgou hoje (28) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísca (IBGE). Este contingente cresceu 14,9% (mais 1,8 milhão de pessoas) frente ao trimestre anterior e 27,8% (mais 3,1 milhões de pessoas em busca de trabalho) em relação ao mesmo trimestre de 2016.

A taxa de desocupação foi estimada em 13,7% no trimestre janeiro / março de 2017, com altas de 1,7 ponto percentual frente ao trimestre outubro / dezembro de 2016 (12,0%) e de 2,8 pontos percentuais em relação ao mesmo trimestre móvel de 2016 (10,9%). Essa foi a maior taxa de desocupação da série histórica, iniciada no primeiro trimestre de em 2012.

A população ocupada (88,9 milhões) recuou em relação ao trimestre anterior (-1,5%, ou menos 1,3 milhão de pessoas) e também em relação ao mesmo trimestre de 2016

(-1,9%, ou menos 1,7 milhão de pessoas). Esse foi o menor contingente de pessoas ocupadas desde o trimestre fevereiro / abril de 2012.

O nível da ocupação (percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar) recuou para 53,1% no trimestre de janeiro a março de 2017, com queda de 0,9 ponto percentual frente ao nível do trimestre anterior (54,0%). Em relação ao nível do mesmo trimestre de 2016 (54,7%), houve retração de 1,7 ponto percentual. Este foi o menor nível da ocupação da série histórica da pesquisa.

O número de empregados com carteira de trabalho assinada (33,4 milhões de pessoas) recuou em ambos os períodos de comparação: frente ao trimestre outubro / dezembro de 2016 (-1,8% ou menos 599 mil pessoas) e ao trimestre janeiro / março de 2016 (-3,5% ou menos 1,2 milhão de pessoas). Este foi o menor contingente de trabalhadores com carteira assinada já observado na série histórica da pesquisa.

O rendimento médio real habitual (R$ 2.110) no trimestre encerrado em março de 2017 manteve estabilidade frente ao trimestre anterior (R$ 2.064) e, também, em relação ao mesmo trimestre de 2016 (R$ 2.059). A massa de rendimento real habitual (R$ 182,9 bilhões) no trimestre encerrado em março de 2017 também ficou estável nas duas comparações.