Empresária de Natal inova na produção artesanal de doces

Empresária de Natal inova na produção artesanal de doces

Compartilhe esse conteúdo

Aos 12 anos de idade, Kyara Soares, 42, levava doces e salgados para vender na escola que estudava no município Assu, região Oeste do Rio Grande do Norte. Hoje, trinta anos depois, ela chega a vender 20 mil doces por semana e é conhecida em Natal pela qualidade dos ingredientes usados e pelo design dos doces produzidos artesanalmente.

A atividade que realizava enquanto adolescente para garantir um rendimento extra foi aos poucos se profissionalizando quando Kyara começou a vender seus produtos para jantares e festas de amigos e expandir as fronteiras de sua comercialização a partir da propaganda “boca a boca”.

Foi então, que há aproximadamente 17 anos, começou a focar sua produção nos doces artesanais e conquistou um nicho do mercado que se volta para o design elaborado e sofisticação de chocolates, bolos, tortas e doces produzidos manualmente. “Quando me dei conta, um negócio de fundo de quintal havia se transformado em uma empresa gigante”, diz  Kyara entusiasmada.

Para atender à demanda que chega a 20 mil produtos por semana, a doceira criou uma metodologia, compartilhada entre Kyara e os 12 funcionários de sua empresa. O processo é dividido por dias, sendo alguns deles reservados para produção das massas, outros para recheios e outros para coberturas até finalmente chegar o momento da decoração. Todos as etapas são manuais, desde a fabricação das massas a decoração dos doces e criação de personagens.

Mesmo com o crescimento da empresa, Kyara continua presente no processo, pesquisando novas receitas, coordenando o trabalho na cozinha e fazendo doces. “Eu sempre gostei de fazer doces. Esse é o meu negócio. A parte de ganhar dinheiro e administrar a empresa nunca foi o meu foco”, comenta a doceira.

Apesar de já ter iniciado os cursos de turismo e nutrição, Kyara não possui formação acadêmica e foi desenvolvendo seu negócio de forma autodidata em um processo de erros e acertos até construir seu receituário.

Ela atribui o crescimento do seu negócio ao design dos produtos e às receitas de autoria própria, que foi testando ao longo anos de trabalho como doceira. Kyara explica que no Brasil existe uma diferença fundamental entre os doces tradicionais encontrados nas regiões Sul e Sudeste e as guloseimas preferidas entre os nordestinos. De acordo com ela, os sulistas preferem doces feitos a base de claras enquanto o nordestino prefere as receitas com leite condensado. Por isso, Kyara usa as receitas tradicionais como base, mas inclui ingredientes como leite condensado para atender ao paladar local.

“Desde que comecei a trabalhar como doceira, comecei a viajar e fazer cursos, pesquisar novas receitas, mas sempre tem um toque meu adicionado às receitas clássicas. Inclusive algumas coisas do meu receituário foram experiências que deram errado e acabaram virando novas receitas”, conta.

A doceira foi parceira do NOVO durante a confraternização dos funcionários que aconteceu em dezembro do ano passado e faz parte de um setor do mercado que é responsável por cerca de 20% das pequenas empresas do setor de alimentos e bebidas: a fabricação de doces caseiros.

DESEMPENHO

De acordo com o gestor do Projeto Alimentos e Bebidas do Sebrae, Horácio Barreto, o nicho de mercado está com uma média de crescimento de 8 a 10% mesmo no período de recessão, com o desempenho econômico do país negativo. Horário Barreto explica que esse crescimento acontece devido às taxas de desemprego, pois muitas pessoas que foram demitidas e estão fora do mercado formal começaram a vender doces.

O gestor do Sebrae afirma que um grande número de pessoas que estão desempregadas começaram a inovar em doces personalizados e enfrentar o mercado para superar o período de crise econômica. O Sebrae não possui os valores absolutos de quantas pequenas empresas investem em doces no Rio Grande do Norte, mas estima que o setor corresponde a uma média de 20% do ramo de alimentos e bebidas.

Ao longo dos anos, afirma Kyara, sentiu o aumento da concorrência e que para se manter no mercado precisou reduzir a quantidade de entregas e focar em design e qualidade para atender um nicho específico do mercado.

Ela conta que já chegou a vender 50 mil doces por semana, mas que após o “estrondo” do mercado esse número chega a uma média de 20 a 30 mil entregas semanais.
“Hoje o mercado é composto de muitas doceiras, o que trouxe uma queda [nas vendas], mas paralelo a isso houve o crescimento da empresa em termos de design. O que também impossibilita um número alto de atendimentos. O mercado está cheio de doceiras, mas quando se pensa em uma linha mais artística ainda existe pouca oferta”, avalia a doceira.

Serviço

O que?
Kyara Doces e Chocolates

Onde?
Doces para páscoa estão a venda na loja Arte Com Balões, Av. Jaguarari 4876

Contato para encomendas: (84) 98855-2323 99993-2600