ABC precisa repetir campanha de 2013 para evitar rebaixamento

ABC precisa repetir campanha de 2013 para evitar rebaixamento

Compartilhe esse conteúdo

59b927f3bf876a361a4a932a.jpg

Alvinegro precisa repetir arrancada histórica para não ser rebaixado

Que a situação atual do ABC é difícil todo mundo sabe. Após um frustrante empate no último sábado contra o também desesperado Santa Cruz, o receio de queda para a Série C dos torcedores alvinegros aumentou ainda mais.

As chances de cair para a terceira divisão já alcançaram 99% de chances, segundo o site de estatísticas “Chance de Gol”. Mesmo com um cenário nada animador,o ABC se apega a grande campanha que fez em 2013 para escapar do rebaixamento.

Naquela ocasião, o clube ocupou a lanterna do torneio até a 25ª rodada e foi saindo da zona da degola aos poucos. Ao término da 23ª rodada, assim como este ano, o ABC somava apenas 17 pontos.

O treinador da época, Roberto Fernandes, chegou ao clube para comandar a complicada missão na 14ª rodada, numa partida contra o América que terminou empatada sem gols.

Após isso, o Alvinegro conseguiu doze vitórias, três empates e dez derrotas, terminando o torneio na 14ª posição, com 46 pontos - número mágico, segundo os especialistas, para escapar da queda.

Desde que o torneio passou a ser disputado por pontos corridos, em 2006, a pontuação máxima de uma equipe rebaixada foi do Icasa, em 2011. O clube cearense somou 47 pontos e mesmo assim caiu para a Série C.

Dos dezenove jogos em casa em 2013, o ABC venceu onze, empatou cinco e perdeu três. Se em seus domínios o desempenho foi no mínimo satisfatório, fora deles os números constatam que o ABC era um time caseiro: foram quinze derrotas, dois empates e apenas duas vitórias.

Até a 23ª rodada, dos dezessete pontos conquistados, o ABC havia vencido quatro jogos (todos em casa) e empatado outros cinco - quatro em casa (o outro foi contra o América, em Natal).

Com quinze rodadas restantes, o ABC engatou seis vitórias seguidas (recorde de um clube potiguar em competições nacionais, na época), venceu mais três disputas, empatou duas e perdeu outras quatro. Com isso, o clube somou 29 pontos dos 45 possíveis e escapou do rebaixamento. Detalhe importante: nos últimos nove confrontos em casa, o ABC venceu sete, perdeu e empatou um.

ABC tem pior aproveitamento como mandante na Série B

Se em 2013 o fator casa ajudou o alvinegro a escapar do rebaixamento, em 2017 jogar em Natal não está trazendo grandes resultados para o ABC.

Até o momento, foram 12 jogos realizados em casa com apenas três vitórias, três empates e seis derrotas. É o time de pior campanha em casa nesta série B e de quebra com o pior ataque, ao lado do Paysandu: os alvinegros balançaram as suas redes em apenas sete oportunidades.

Dos 15 confrontos restantes, o ABC vai encarar sete em casa (dois deles na Arena das Dunas) e oito fora. O desempenho longe de Natal também não é dos mais animadores: apenas uma vitória (contra o Goiás), dois empates e oito derrotas. São apenas oito gols feitos e 19 sofridos.

ABC
ABC tem o pior aproveitamento como mandante do campeonato

As próximas partidas serão determinantes para o clube de Natal. O ABC tem dois confrontos fora de casa e viaja para encarar o Paysandu e o Figueirense. No primeiro turno, o alvinegro não perdeu para nenhuma dessas equipes, com uma vitória e um empate, respectivamente.

Os dois confrontos podem dar um fôlego a mais para o Alvinegro ou enterrar de vez as esperanças de escapar do rebaixamento.

Assim como este ano, em 2013 o ABC teve três treinadores diferentes e o último, Roberto Fernandes, ficou até o começo do campeonato estadual do ano seguinte, trocando o ABC pelo Remo, onde se sagrou campeão paraense.

Em 2013, clube teve injeção financeira

Outro fator semelhante entre as duas temporadas foi a chegada de diversos reforços e a formação de praticamente uma nova equipe com a Série B em andamento.

Naquele ano, desde a chegada do técnico pernambucano, dezesseis nomes chegaram. Os destaques daquele time eram Giovanni Augusto, hoje no Corinthians, Gilmar, que defende o Náutico, e Getúlio Vargas, atual comentarista dos canais Esporte Interativo.

A viabilização do negócio só foi possível graças à um acordo assinado entre a OAS (empresa que comanda a Arena das Dunas) e o clube, em acordo que rendeu 2 milhões de reais. O presidente do ABC na época, Rubens Guilherme, relembra a luta contra o rebaixamento naquele ano e comenta que ver a alegria da torcida após a campanha foi um momento marcante.

“Aquele grupo que estava na lanterna já não acreditava mais em escapar, os jogadores já estavam conformados no rebaixamento. Tivemos que colocar praticamente um grupo que renovasse e que mudasse de postura”, comenta. O ex-dirigente esteve a frente do ABC entre 2010 e 2015. Para ele, as possibilidades de escapar da queda ainda são possíveis enquanto não estiver nada definido.

Leonardo Arruda
Vice de futebol, Leonardo Arruda ainda acredita em recuperação do Alvinegro

A reportagem do NOVO tentou entrar em contato com o presidente Judas Tadeu, mas o dirigente não atendeu as nossas ligações. O vice-presidente de futebol Leonardo Arruda, comenta que mesmo com a situação nada animadora, a diretoria garante que enquanto tiver chances, o clube vai trabalhar para escapar da incômoda situação.

“A gente reconhece que é difícil, pois nós tivemos uma sequência de jogos onde não pontuamos, mas não nos damos como derrotados. Não vamos desistir da luta enquanto houver a mínima das possibilidades”, contou ao NOVO por telefone.