Expansão da Copa exigirá 'futebol sem fim', com 4 jogos por dia em duas semanas

Compartilhe esse conteúdo

A expansão da Copa do Mundo para 48 seleções vai exigir a realização de quatro jogos de futebol por dia, durante duas semanas. Só assim é que a Fifa conseguirá cumprir sua promessa aos maiores clubes do planeta de que o novo Mundial será realizado com 16 seleções extras e, mesmo assim, não ultrapasse 32 dias de disputa.
 
Nesta terça-feira, a Fifa aprovou a maior expansão na história de quase cem anos da Copa. Ao passar de 32 para 48 seleções, a entidade admite que a qualidade vai cair. Mas a renda vai sofrer uma explosão, com 35% de aumento em comparação à receita da Copa de 2014 no Brasil. 
 
Para o novo presidente da Fifa, Gianni Infantino, trata-se de seu maior teste como chefe da entidade máxima do futebol. Por meses, ele tem costurado a ideia com emissoras, federações, clubes e patrocinadores. 
 
Maior audiência, maior marketing e mais venda de ingressos, porém, exigirão um acúmulo de jogos por dia, com um total de seis horas de futebol diariamente. Isso se os jogos não forem para os pênaltis. Uma das propostas é de que não haja empates e que todas as partidas nessa situação sejam definidas por pênaltis, o que aumentaria ainda mais as horas de futebol na TV.
 
"Será um mês de um futebol sem fim nas televisões do mundo", alertou um dos cartolas em Zurique, na condição de anonimato e admitindo que, no médio prazo, isso pode afetar o valor da Copa. "A Fifa não entende a lei do retorno", alertou Patrick Nally, homem que desenhou o sistema de marketing da entidade nos anos de 1970. "Um modelo com 48 seleções vai diminuir o valor das Eliminatórias e da Copa", disse. 
 
Estudos realizados na Inglaterra no final de 2016 mostraram que, pela primeira vez em 30 anos, a audiência do futebol na TV dá sinais de fadiga. A culpa, segundo as análises, seria do excesso de horas de partidas ao vivo sendo transmitidas.
 
De acordo com a agenda realizada pela Fifa, a partir de 10 mil simulações diferentes, a primeira fase da nova Copa terá 16 grupos, de três equipes cada. Para que todos esses 48 jogos possam ocorrer em duas semanas, quatro partidas serão disputadas diariamente.
 
Não haverá nem mesmo como ter a abertura da Copa do Mundo sendo realizada com um jogo único, como ocorreu em 2014, quando a única partida do primeiro dia do Mundial foi Brasil x Croácia. Já no primeiro dia de competições, seriam quatro partidas. 
 
O número representa o acréscimo de um jogo por dia, em comparação ao atual modelo, com 32 times. Na segunda fase, com 32 times em um mata-mata, o mesmo ocorreria: quatro jogos por dia. 
 
Mas a expansão também representará um desafio para infraestrutura e transmissões. Num documento confidencial preparado pelos técnicos da entidade, admite-se ainda que essa nova realidade vai exigir "uma maior logística e coordenação, o que colocaria mais pressão sobre as equipes da Fifa e das emissoras". "Um número maior de jogos também levaria a um aumento de custos diante da maior necessidade por funcionários e alugueis mais longos de equipamentos", disse a entidade.
 
"Enquanto formatos de expansão com quatro jogos por dia gerariam mais valor de transmissão, isso também aumentaria os custos operacionais", indicou a Fifa. 
 
RENDA - Em sua avaliação interna, a entidade deixou claro que, apesar do maior custo e do futebol praticamente sem interrupção, a superlotação de jogos compensaria em termos financeiros, principalmente se as TVs entrarem em um acordo com os organizadores para transmitir os jogos nos horários nobres dos países envolvidos na partida.
 
No Comitê Olímpico Internacional (COI), os Jogos do Rio-2016 já registraram uma situação similar, quando a natação e o atletismo ocorreram em horários que eram considerados como mais adequados para as transmissões da NBC nos EUA. 
 
Para que o novo formato funcione, a Fifa estima que pelo menos 12 estádios sejam necessários para que o calendário funcione e, mesmo assim, cada um deles terá de comportar um jogo a mais, o que também colocará pressão sobre o gramado.
 
Para cada seleção, a média será de um jogo a cada quatro dias, número considerado como o mínimo necessário para garantir a qualidade do torneio com jogadores que já vem de longas temporadas e exaustos. 
 
Um dos problemas registrados é o de que não haverá um equilíbrio entre os dias de descansos entre as seleções. Outro problema é que não haverá forma de realizar disputas simultâneas nas últimas rodadas da fase de grupos, medida adotada para evitar que seleções combinem resultados. 
 
Com esse calendário sobrecarregado, a Fifa espera conseguir evitar que a competição dure mais dias, uma promessa que Infantino havia feito aos grandes clubes europeus que já criticam o calendário internacional.
  • Presidente da Fifa, Gianni Infantino, acredita que mudança será seu maior teste como chefe da entidade máxima do futebol

ABC perde e fica em situação delicada para se classificar

Compartilhe esse conteúdo

O ABC perdeu por 2 a 0 para o CRB na noite deste sábado (25) no estádio Rei Pelé, em Maceió, e ficou em situação delicada na Copa do Nordeste. Assim como o rival América, o Alvinegro está com 4 pontos no Grupo D e precisa vencer as duas próximas partidas para buscar passar de fase. Isso porque o CRB disparou na liderança com 7 pontos e apenas os três melhores segundos colocados passam de fase.

O Alvinegro espera ainda o duelo entre Itabaiana e CSA, mas sabe que será ultrapassado independente do resultado do duelo.  Esses dois, inclusive, serão os próximos adversários do Elefante. Primeiro, o time encara o Itabaiana, em Sergipe, e depois volta para enfrentar o CSA no Frasqueirão.

Os gols da partida foram marcados no segundo tempo. Logo aos 7 minutos, Chico abriu o placar para o time regatiano. Aos 14, Danilo Pires ampliou e pôs números finais à partida, já que o ABC não conseguiu reagir.

Agora o Alvinegro precisa virar os olhares para outro duelo difícil: encara o Audax, na quarta-feira de cinzas (1) no estádio Frasqueirão pela Copa do Brasil. Em seguida, o time enfrenta o Globo, no domingo, na decisão da Copa Cidade do Natal.

América empata com o Vitória e se complica na Copa do Nordeste

Compartilhe esse conteúdo

O América empatou por 0 a 0 com o Vitória na Arena das Dunas na tarde deste sábado (25). Apesar da força do adversário, o resultado não foi dos melhores para o Dragão, que chegou aos quatro pontos no Grupo E da Copa do Nordeste e segue na terceira posição. O Vitória, por sua vez, foi aos sete pontos e segue líder, mas pode ser ultrapassado caso o Sergipe vença o Botafogo-PB fora de casa.

O resultado obriga o Alvirrubro potiguar a vencer as duas partidas finais da fase de grupos da Copa do Nordeste caso ainda sonhe com a classificação. O América ainda enfrenta o Sergipe, na próxima rodada, novamente na Arena das Dunas e depois sai para encarar o Botafogo-PB, em João Pessoa.

A partida se dividiu em dois momentos distintos: no primeiro tempo, América e Vitória criaram oportunidades. O time baiano começou melhor, mas o Dragão passou a comandar as ações do jogo na metade da primeira etapa,. Tony desperdiçou  a melhor oportunidade da equipe, quando recebeu passe de Raul e tentou o drible ao invés de finalizar.

Na segunda etapa, só deu Vitória. O América passou a marcar atrás do meio de campo e não conseguiu chegar à frente. Em 45 minutos de ataque contra defesa, o resultado foi satisfatório para o Alvirrubro.

Banco sem opções

Quando o América começou a ser massacrado na segunda etapa, Felipe Surian se viu disposto a mudar o time, mas faltou opções, principalmente do meio para frente: ele só tinha os jovens Marcelinho e Anthony. Os dois - que fizeram suas primeiras partidas como profissionais ainda neste temporada - entraram em campo, mas pouco ajudaram. Para Surian, os jogadores de ataque que estão no departamento médico fizeram falta.

Três jogos sem tomar gols

Se o ataque não conseguiu colocar a bola para dentro, a defesa do Dragão se provou pela terceira partida consecutiva. O time, que já não havia tomado gols contra o Baraúnas e o Assu nas duas últimas rodadas do Estadual, novamente não foi batida. O treinador parece ter encontrado a zaga ideal com Everton na lateral-direita, Richardson e Paulão na zaga e Michel Cury na esquerda.

Terceira repetição de escalação

Apesar das lesões que o América enfrenta, Felipe Surian conseguiu escalar pela terceira vez consecutiva a mesma equipe em campo - fato que não havia tido a possibilidade de fazer até então no ano. A sequência parece ter melhorado o rendimento da equipe.

Falta de criatividade e a hesitação de Tony

O principal problema do América no duelo foi a falta de criação do time, até quando esteve bem na primeira etapa. Sem conseguir infiltrações e com dificuldade de ter a segunda bola após cruzamentos na área, o Dragão não teve grandes chances. Só uma: quando Raul encontrou Tony invadindo a área e tocou. O atacante estava de frente para o gol, mas tentou o drible em Kanu e perdeu uma boa oportunidade.

 

Morre policial baleado em bar no bairro de Neópolis

Compartilhe esse conteúdo

O Cabo da Polícia Militar Edmilson Nascimento de Oliveira Júnior, que trabalhava no nono Batalhão, morreu neste sábado (25) no Pronto-Socorro Clóvis Sarinho. O policial foi baleado por bandidos numa tentativa de assalto num bar no bairro de Néópolis, na zona Sul, na noite de sexta-feira  (24), véspera de carnaval.

Edmilson estava no bar, quando quatro criminosos saíram armados de um táxi e anunciaram o assalto. Segundo a PM, ele tentou avisar a um amigo para não reagir e acabou atingido por disparos dos bandidos nas costas e na perna. Após os disparos, os bandidos fugiram à pé e o socorro foi chamado.

A primeira informação era de que ele não corria risco de morte. O Cabo foi levado para o hospital ainda com consciência para passar por cirurgia na noite de sexta-feira, mas sofreu uma parada cardíaca e não resistiu.

A PM emitiu uma nota de pesar pela morte de Edmilson Nascimento de Oliveira Júnior e diz que segue "intensamente na busca dos assassinos para entregá-los à justiça para que sejam processados e julgados pelo crime infame que cometeram".

 

 

Estadual 2017: saiba o que cada clube precisa para vencer o 2º turno

Compartilhe esse conteúdo

Em clima de carnaval, o clubes do Rio Grande do Norte já começam a se organizar para o segundo turno da competição, que começa dia 8. Enquanto Globo e ABC decidem a Copa Cidade do Natal - a decisão está marcada para o dia 5 de março -, os traços da Copa RN começam a ser formados. A tabela já está definida e cada um já tem encaminhado pelo quê deve lutar nesta reta final de certame.

A partir de agora, a tendência é de que o torneio fique mais competitivo. Muitos clubes sofreram com a pré-temporada curta, o que dificultou no processo de construção de uma forma de jogar.

Para agora, o tiro é novamente curto: serão outros sete jogos (com exceção das finais) para definição dos classificados para a Copa do Nordeste, do Brasil e Série D do próximo ano. E os clubes jogam tudo neste momento.

Tanto é que, novamente, a maioria optou por uma mudança mais drástica. Das oito equipe no certame, cinco mudaram de treinador. Apenas ABC, Globo e América (os três primeiros na primeira fase) mantiveram o comandante até aqui.

A briga para jogar as finais, a luta pelas vagas nas Copas do Brasil e do Nordeste e na Série D do Brasileirão, além do desespero para fugir do rebaixamento. Tudo estará presente nestas sete rodadas.
O NOVO, por isso, resolveu fazer uma projeção das equipes para este segundo turno.

ABC
O ABC só visa o título do Estadual. Apesar de só ter trabalhado uma semana de pré-temporada com o técnico Geninho - os demais foram apenas de preparação física - o ABC sobrou na fase de classificação do primeiro turno. Mais poderoso financeiramente e jogando a Série B, é a única equipe que tem o calendário cheio para o próximo ano independente do que aconteça no Estadual. O clube não deve investir em reforços neste momento e deve seguir com o mesmo elenco para este segundo turno e, caso vença o primeiro, deve usar um time misto nesta segunda fase.

Alecrim
O Verdão entra no segundo turno do Campeonato Potiguar com ânimo renovado. A estratégia meio marqueteira e um tanto quanto ousada na contratação de Athirson como treinador não deu certo. E o clube optou pelo caseiro: promoveu o técnico Edson Alves dos juniores para o profissional - e  o time evoluiu. O principal objetivo neste momento é evitar ser rebaixado, briga que trava diretamente com o Santa Cruz de Natal e o Potiguar de Mossoró neste momento. Com uma equipe mais arrumada e a boa fase do atacante Léo Bahia, que já marcou seis vezes no certame, o Periquito busca fazer uma Copa RN sem grandes sustos.

América
A pressão em cima do América deve ser muito maior na Copa RN. Sem conseguir chegar à final do primeiro turno (ficou na terceira colocação), o time treinado por Felipe Surian não convenceu nos primeiros jogos do ano, mas terminou a Copa Cidade do natal em boa fase, com duas vitórias consecutivas. E fazer um bom segundo tempo não representa só a busca pelo título estadual, mas garantir vagas nas Copas do Brasil e do Nordeste do próximo ano, além da Série D, caso o Dragão não consiga o acesso neste ano. Com jogadores importantes deixando o departamento médico, a tendência é que o time esteja mais forte nesta reta final.

Assu
O Camaleão do Vale se desfez de todo o projeto inicial no clube com a demissão do técnico colombiano José Cortina, que comandou a equipe num início de primeiro turno promissor, brigando no topo da tabela. Especulado como um dos candidatos ao rebaixamento antes da competição, o Assu abriu uma vantagem importante para ao menos se manter na elite do Estadual, o principal objetivo. Neste segundo turno, apostará as cartas no técnico Barata, que foi demitido do Baraúnas no seu primeiro trabalho na profissão. Barata, inclusive, participou, como atleta, do único título estadual do Assu na história, em 2009.

Baraúnas
O Baraúnas foi o último time a montar um elenco e anunciar um técnico no Estadual. Começou os trabalhos mais tarde que a maioria, mas, ainda assim, quase conseguiu classificação para a final do turno. Mas nem a boa campanha em meio às adversidades foram suficientes para manter o técnico Barata no cargo. O time começa o segundo turno treinado por Ronaldo Bagé, que fez sua carreira principalmente nos sul do país. Sem muitos reforços, o Baru mantém a base para tentar garantir uma vaga na Série D do próximo ano, mas precisa mostrar mais força para deixar a zona do meio da tabela.

Globo
O Globo vê este ano como um ano de espécie de afirmação no Campeonato Potiguar. Chegando em finais em três dos quatro anos em que jogou o Estadual, o time quer o seu primeiro título Estadual. Com a base do time e a comissão técnica mantida, briga para isso, o que já lhe proporcionaria vagas nas Copas do Brasil e do Nordeste (que disputou uma vez), além da Série D do próximo ano, caso não consiga o acesso nesta temporada. Finalista na Copa Cidade do Natal, o time, que só tem como compromisso o Estadual neste primeiro semestre, quer manter o pique para sair campeão.

Potiguar de Mossoró
O Potiguar de Mossoró só pensa em evitar o pior neste segundo turno. O time esteve perto de viver um pesadelo na Copa Cidade do Natal, quando brigou contra o rebaixamento na maior parte do tempo, mas terminou na quinta posição - acima só de Alecrim e Santa Cruz de Natal. Para o segundo turno, demitiu o técnico Dário Lourenço e contratou Emerson Sacramento para o cargo. Mais do que isso: dispensou parte do elenco, inclusive titulares, e contratou novos nomes. Aposta numa reformulação radical para esse novo momento, em que ainda sonha em chegar à final e conseguir vaga na Série D do próximo ano.

Santa Cruz de Natal
O Santa vai atrás de um milagre na Copa Rio Grande do Norte. Sem vencer sequer uma partida no primeiro turno, o time terminou na lanterna da competição com apenas dois pontos conquistados. Com o novo treinador Lorival Santos, a equipe, que é mantida por um grupo de empresários de atletas, busca uma recuperação metórica se ainda quiser sonhar com algo neste Estadual. Mas a primeira missão - e mais óbvia - é clara: evitar o rebaixamento para a Segunda Divisão, de onde acabou de vir.  Se conseguir o feito, já terá dado o ano como vitorioso neste momento.

Ministro do Supremo manda soltar goleiro Bruno

Compartilhe esse conteúdo

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), mandou soltar o goleiro Bruno Fernandes, acusado de matar a ex-amante Eliza Samúdio. A decisão em caráter liminar foi tomada na terça-feira, 21.

 

“Expeçam alvará de soltura a ser cumprido com as cautelas próprias: caso o paciente não se encontre recolhido por motivo diverso da preventiva formalizada no processo nº 079.10.035.624-9, do Juízo do Tribunal do Júri da Comarca de Contagem/MG. Advirtam-no da necessidade de permanecer na residência indicada ao Juízo, atendendo aos chamamentos judiciais, de informar eventual transferência e de adotar a postura que se aguarda do cidadão integrado à sociedade”, determinou Marco Aurélio.

Em março de 2013, o goleiro foi condenado a 22 anos e 3 meses de prisão pela morte e ocultação de cadáver de Eliza Samudio e pelo sequestro e cárcere privado do filho. O Juízo do Tribunal do Júri da Comarca de Contagem, Minas Gerais, determinou que Bruno cumprisse regime inicial fechado, negou o direito de recorrer em liberdade e afirmou que estavam presentes os requisitos da prisão preventiva, determinada em 4 de agosto de 2010.

A defesa do goleiro apelou da decisão do Tribunal de Justiça. Ao STF, os advogados alegaram ‘excesso de prazo da constrição cautelar, uma vez transcorridos mais de 3 anos desde o julgamento, sem análise da apelação’ e afirmaram tratar-se de antecipação de pena. Os defensores destacaram ainda ‘as condições pessoais favoráveis do paciente – primariedade, bons antecedentes, residência fixa e ocupação lícita’ e pediram a revogação da prisão.

Ao conceder liberdade ao goleiro, Marco Aurélio Mello afirmou que ‘os fundamentos da preventiva não resistem a exame’.