Dicas para o eleitor LGBT na hora de escolher seu candidato

Dicas para o eleitor LGBT na hora de escolher seu candidato

Compartilhe esse conteúdo

Primeiramente, FORA do Armário. TEMER, jamais.
 
Miga, preste atenção em quem você vai votar nestas eleições. O Fora do Armário tira muita onda, dá muito close (alguns certos, outros não muito), mas hoje o papo é sério, ou pelo menos deveria ser encarado assim. Vamos falar de política.
Não vou pedir voto para candidato tal, nem dizer para não votar em determinado candidato. Apenas quero elencar algumas coisas importantes que você deveria prestar atenção na hora de votar para depois não chorar sobre o leite derramado.
É importante avaliar se uma vaguinha na repartição pública durante determinado tempo é melhor do que políticas públicas que mudem a vida de toda comunidade LGBT.  Então se liga nas diquinhas:
 
 
1- Não vote em candidatos de partidos conservadores
Nada contra "cristãos", até tenho amigos que são. Não me importa sua fé, desde que façam isso dentro de suas casas ou igrejas.  Não quero nenhuma religião legislando a minha vida, você quer  na sua? Se a sigla vem com um "C" no meio, meu conselho é não desperdiçar seu voto. Pois mesmo que o pretenso prefeito ou vereador seja simpatizante ao movimento LGBT ele sofrerá pressão do partido e dos aliados ou patrocinadores para que exclua as pautas LGBT's da agenda.
 
 
 
2- Dê a preferência para candidatos LGBT's ou militantes de movimentos sociais 
Ser gay, lésbica, homem ou mulher trans não confere certificado de idoneidade aos candidatos, porém , se é para depositar a fé em alguém que pouco conhecemos que seja numa pessoa que é afetada pelos mesmos problemas que nós. E ao contrário do que muitos do próprio meio LBGT pensa, existe muita gente séria e com boas idéias para  tornar a sociedade mais justa dentro do movimento. Sem falar que precisamos representar a nós mesmos, LGBT que vota em homofóbicos, fundamentalistas e conservadores esperando ser representado é o mesmo que o frango da sadia fazendo propaganda de coxa de frango congelada na tv.
 
 
 
 
3-Jogue o nome do candidato no Google
Não vale dizer que não sabia. É simples, você coloca o nome da pessoa que pediu seu voto na internet  e  ver o que aparece. Não vale se limitar ao primeiro blog de esquerda ou direita que você encontra, leia várias perspectivas do fato e tire suas próprias conclusões. E principalmente busque por falas da pessoa em questão, se tiver algum discurso de ódio é melhor não arriscar. Mesmo que se diga apoiador do movimento LGBT, se foi machistas, racista, classicista, apoiou a meritocracia ou a ditadura: não vote. Afinal como esperar preocupação conosco se exclui outras minorias? Não faz sentido.
 
 
 
4- Não venda seu voto
Essa é a regrinha básica, aquela que nem deveria ser repetida de tão obvia que é. Gente, seja por uma vaguinha no gabinete, na assessoria, um objeto ou seja lá o que for,  não compensa fazer esse negócio. Depois de eleito a pessoa vai se sentir dona do mandato, pois pagou por isso e como você vai cobrar algo desta pessoa? Não esqueça que o voto é secreto, na hora vote em quem sua consciência mandar. Não esqueça de denunciar o dito cujo que lhe oferecer coisas em troca de voto, existem muitas formas anônimas de fazer isso.
 
5- Chega de mais do mesmo
Não recomendo votar em quem está no poder a anos. Porque eles tiveram a oportunidade e se quisessem melhorar sua vida já teriam feito. E não esqueça, existem muitos que mesmo não sendo candidatos  governam através de marionetes: filhos, cônjuges, primos, tios, afilhados... Ter um sobrenome que manda e desmanda a anos no curral eleitoral que reside já é motivo para abrir o olho.
 
 
6- Ricos não representam pobres
Não espere que empresários, donos de veículos de comunicação, herdeiros de grandes patrimônios,  sócios sombrios de grandes negócios se preocupem com o trabalhador. Eles vão olhar na sua cara e dizer: "para manter seu emprego  vou cortar seus direitos" ou simplesmente, "não pense em crise, trabalhe." Dê a oportunidade a lideres comunitários, profissionais de classes oprimidas e desvalorizadas, pessoas com pouca verba de campanha, e com patrimônio compatível a sua realidade.
 
Bom gente, é isso, não confunda urna eletrônica com uma privada, afinal só um dos dois é para fazer merda.
 
(IMAGENS REPRODUZIDAS DA INTERNET, CRÉDITOS NÃO FORAM IDENTIFICADOS)