Não há sinal de sobreviventes no local da queda do avião, diz militar russo

Não há sinal de sobreviventes no local da queda do avião, diz militar russo

Compartilhe esse conteúdo

O Ministério da Defesa russo afirmou que as equipes de resgate não veem sinal de nenhum sobrevivente na área do Mar Negro onde caiu um avião do país. O major-general Igor Konashenkov disse que "nenhum sobrevivente é visto" na área, que fica cerca de 1,5 quilômetro distante da costa.
 
O avião de passageiros Tu-154 tinha 92 pessoas a bordo e caiu minutos após decolar da cidade de Sochi. A aeronave, pertencente ao Ministério da Defesa russo, seguiria para a Síria e levava membros de um famoso coro do Exército russo para um concerto de fim de ano em uma base militar russa.
 
A causa do acidente ainda não está clara. Equipes de resgate já retiraram vários corpos e dezenas de embarcações, drones e mergulhadores trabalham para resgatar mais mortos. 
 
O presidente russo, Vladimir Putin, decretou um dia de luto nacional em memória das vítimas. Putin, em declarações veiculadas pela televisão russa, anunciou que haverá um dia de luto na segunda-feira. Ele disse que o governo realizará uma investigação abrangente dos motivos da queda e que fará de tudo para apoiar as famílias das vítimas
 
Equipes de resgate já encontraram fragmentos da fuselagem da aeronave. Segundo comunicado dos militares, o avião desapareceu do radar por volta das 5h40 (hora de Moscou), informou a agência de notícias Interfax. Agências russas disseram que o avião levava membros de um coro militar e também da imprensa russa, que voavam para a principal base aérea russa na Síria para um concerto de feriado. O presidente russo, Vladimir Putin, foi informado sobre o episódio, disse um porta-voz do Kremlin.
 
O avião pertencia ao Ministério da Defesa e levava o grupo Alexandrov Ensemble para um concerto na base aérea Hemeimeem, na província costeira da Síria de Latakia. Equipes de resgate encontraram fragmentos a menos de 1,5 quilômetro da costa. O tempo era bom após a decolagem e não há ainda informações oficiais sobre possíveis causas da queda.
 
Diretor do comitê de assuntos de Defesa do Senado, Viktor Ozerov disse que a queda pode ter sido causada por problemas técnicos ou falha humana. Ele acredita que não possa ter sido terrorismo, porque a aeronave era operada pelos militares. "Eu excluo totalmente" a ideia de que um ataque pudesse ter derrubado o avião, afirmou ele, segundo a agência estatal RIA Novosti.
 
A lista de passageiros incluía 64 membros do grupo Alexandrov Ensemble, entre eles sua líder, Valery Khalilov. O grupo é o coro oficial dos militares russos e também inclui uma banda e uma companhia de dança. Também estava a bordo Yelizaveta Glinka, uma médica russa elogiada por seu trabalho de caridade. A fundação dela disse que Glinka acompanhava o envio de remédios para um hospital na Síria. Nove jornalistas russos de três emissoras de televisão do país estavam a bordo.
 
O Ministério da Defesa disse que o avião que caiu foi construído em 1983 e havia passado por manutenção preventiva em 2014.