O que o Acordo de Paris muda na minha vida?

O que o Acordo de Paris muda na minha vida?

Compartilhe esse conteúdo

Não poderia ser mais providencial: no dia de estreia do Óbvio e Atual, o mundo está comemorando a aprovação de um histórico acordo climático global. Mas, o que isso significa, afinal? Vamos por partes. Primeiro é importante lembrar que as Conferências do Clima começaram logo após aquele grande encontro da Rio-92 e em 23 anos e 21 edições,  já figuraram importantes passos na luta contra as mudanças climáticas e o aquecimento global. Quer ver? Você pode até não saber tudo sobre, mas certamente já ouviu falar no Protocolo de Kyoto. O documento que definiu metas obrigatórias para a redução das emissões de gases de efeito estufa para 37 países industrializados e a União Europeia foi pensado e construido durante uma dessas conferências, em 1997.

Mas, como essas metas traçadas em Kyoto expiraram em 2012, a 21ª Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas (ou simplesmente COP-21), que acontece em Paris ao longo dos últimos treze dias, acabou se tornando muito esperada pelos ativistas e lideranças por ser uma chance de "renovar o contrato" e conseguir um novo acordo para substituir o antigo. E parece que deu certo. 

Após dias de debates, reuniões e encontros de representantes das mais diversas nações, na noite de ontem, 195 países aprovaram o Acordo de Paris, que traça metas para a redução de emissões de gases de efeito estufa. O acordo prevê a criação de um fundo anual de US$ 100 bilhões, financiado pelos países ricos, a partir de 2020, para limitar o aquecimento global a 1,5°C. Funciona assim: Com a criação dessa super poupança, os países deverão prestar contas a cada cinco anos sobre as ações desenvolvidas para evitar que a temperatura global não aumente mais de 2 graus Celsius. 

Todo esse esforço tem o objetivo de reduzir ou evitar os fenômenos extremos que são consequências do aquecimento global, como ondas de calor, seca, cheias, ou subida do nível do mar. Agora, o desafio será equilibrar as emissões de gases tóxicos gerados pela ação do homem (entenda por: desmatamento, uso de combustíveis fósseis etc) e os níveis suportados pela natureza. 

Isso quer dizer que, está cada vez mais próximo das empresas começarem a investir em novas formas de fabricar e você, de investir em novas maneiras de consumo.

Ficou com dúvidas? Deixe seu comentário! Assine o Estadão All Digital + Impresso todos os dias

Siga @Estadao no Twitter