Tartaruga marinha rara no RN desova em São Miguel do Gostoso

Tartaruga marinha rara no RN desova em São Miguel do Gostoso

Compartilhe esse conteúdo

A temporada de desova das tartarugas marinhas no litoral do Rio Grande do Norte está a todo vapor. É nessa época, entre novembro e maio, que técnicos voluntários do projeto Gostoso Natureza, coordenado pela Associação de Meio Ambiente, Cultura e Justiça Social (Amjus), intensificam o trabalho nas areias das praias de São Miguel do Gostoso, distante 102km de Natal, com a missão de catalogar e acompanhar todo o desenvolvimento dos ninhos. 

>> LEIA MAIS: NOVO acompanhou rotina de voluntários do projeto responsável pela preservação da tartaruga-de-pente

Na madrugada dessa terça-feira, os voluntários do projeto registram a presença de uma éspecie não tão habitual em nosso litoral. Uma tartaruga verde medindo cerca de 1,10 metros escolheu a Praia Ponta de Santo Cristo, em São Miguel do Gostoso, para desovar. O foto registro foi realizado pelos voluntários Heldene Santos e Renny Castro, com autorização do ICMBio.

"Convidamos toda a população a proteger os ninhos. Em cada um deles há dezenas de ovos sob cuidados pelos técnicos voluntários da AMJUS e que, em breve, poderá ser visto o espetáculo da vida nos nascimentos", declarou a equipe em sua fan page no facebook. De dezembro até essa semana, os 25km de praias do município de atuação da Amjus já contam com mais de 50 ninhos monitorados diariamente pelos voluntários do projeto.

Importante área de reprodução 

O litoral potiguar abriga hoje a maior densidade no Atlântico Sul de desovas de tartarugas-de-pente, espécie criticamente ameaçada de extinção, com praias que chegam a reunir até 50 ninhos por quilômetro. 
 
Segundo João Carlos Thome, coordenador nacional do Centro Tamar/ICMBio, só na temporada de novembro de 2013 a maio de 2014, nasceram sob o solo potiguar cerca de 86 mil filhotes, em 956 ninhos. O maior número desde o início do monitoramento, há 14 anos.
 
Ainda assim, é preciso fazer mais, tendo em vista que de todos os filhotes nascidos, apenas 0,01% (ou um a cada mil) chegam à vida adulta, segundo estudos do ICMBio.