Serejo: "Depois de salvar 2015, Robinson precisa planejar 2016"

Serejo: "Depois de salvar 2015, Robinson precisa planejar 2016"

Compartilhe esse conteúdo

A fonte secou? Pode não ter sido com a brevidade que alguns queriam, mas o governador Robinson Faria tratou ainda este ano de abrir alternativas de receita para o próximo 2016.
 
Ele sabe mais do que qualquer um que buscou todas as fontes disponíveis para enfrentar seu primeiro ano de governo sem atrasar o pagamento da folha. Sabe que esse atraso significaria o desmoronamento da avaliação de governo. Foi assim, perdendo lastro logo nas primeiras semanas, que a governadora Rosalba Ciarlini degradou a própria imagem de forma irreversível.
 
O governo, apesar da inegável habilidade do seu marketing transformando notícias, decisões e promessas em ações, sabe também que duas guerras são determinantes diante de todas as outras: pagar em dia ao funcionalismo e oferecer combate sem trégua à violência.
 
Pagar em dia tem efeito rápido e prático a cada fim de mês quando o salário cai na conta do servidor ativo ou inativo. E a violência, campo onde ninguém faz milagre, precisa ter um combate vigoroso e público a toda hora, mesmo que os delitos possam acontecer todos os dias, afinal são inevitáveis em qualquer esquema de segurança.
 
O governo engoliu mais de R$ 700 milhões do Fundo Previdenciário, soma que só retorna por um milagre; R$ 90 milhões da venda do direito de exclusividade da Conta Única ao Banco do Brasil, aprovou o pacote fiscal elevando alíquotas e fez o Mutirão Fiscal, sem falar no remanejamento de valores do orçamento, e está auditando a folha de pessoal do Poder Executivo. 
 
Fez tudo. Sem um grande corte nas despesas e sem reduzir a máquina de forma drástica.
 
Mas, pelo visto, e como números financeiros são corpos limitados, espera os resultados do Pacote Fiscal que preservou alimentos para não atingir o cidadão para enfrentar o próximo ano. Não terá mais o Fundo Previdenciário, generoso e pacífico, mesmo que injusto para com quem pagou sua contribuição de previdência anos a fio.
 
A fonte secou? Como no verso célebre do samba de Raul Moreno, aquele grande sucesso no carnaval de 1954? É esperar. Se secou, o ano de 2016 não será tão fácil, mesmo que ele tenha vencido, e muito bem até agora, o vaticínio de todas as cartomantes da política.