Secretários do RN defendem fim do desarmamento contra bandidagem

Secretários do RN defendem fim do desarmamento contra bandidagem

Compartilhe esse conteúdo

598ce4ba8a8d3601c46c24c7.jpg

Estatuto do Desarmamento volta à pauta da Câmara Federal

Os secretários estaduais de Turismo, Ruy Gaspar, e de Agricultura, Guilherme Saldanha, dividiram opiniões nas redes sociais com postagens semelhantes em que aconselham as pessoas a não protestarem por #paz, mas a reivindicarem o fim do desarmamento para que o cidadão possa andar armado e "matar bandido", defendendo-se por conta própria.

O posicionamento dos auxiliares do primeiro escalão do governador Robinson Faria foi feito em meio às declarações do chefe do Executivo estadual que disse em entrevista que a sensação de insegurança da população não corresponde à realidade dos fatos e que a imprensa é quem "potencializa" essa sensação. Até a manhã de ontem (10), o Rio Grande do Norte já registrava 1.490 homicídios.

Por meio de suas contas privadas no Instagram, Ruy Gaspar e Guilherme Saldanha publicaram uma mensagem que já vem sendo compartilhada por muitos usuários também em outras redes sociais: "Nâo venham falar em vestir preto, soltar pombas brancas ou postar #Paz. Peça porte de arma e leis que permitam matar bandidos", publicaram.

Ruy Gaspar, titular da pasta do Turismo no estado, ainda escreveu na legenda: "O Brasil vive um caos em segurança pública, só mudaremos isso se nosso congresso acabar com o desarmamento, se os policiais não forem penalizados por terem matado bandidos. Enfim, não há milagres", recebendo emotions de aplausos nos comentários e palavras de incentivo à sua publicação.

Ruy Gaspar ainda rebateu a seguidora @claudiarocharn, que pediu mais políciais nas ruas e criticou o governador Robinson Faria. "Problema da segurança, como já disse anteriormente, é em todo o Brasil @claudiarocharn, você se sente mais segura aqui, no RJ, SP, Recife, Salvador ou Fortaleza? Eu aqui. Queria assistir arrastão com todo mundo armado num bar, duvido!!!", insistiu. Ruy não atendeu as ligações do NOVO ontem e nem retornou para comentar sobre suas publicações na rede social.

Alguns seguidores complementaram o post de Ruy dizendo que quando os bandidos souberem que as pessoas estão armadas vão hesitar antes de abordar e que isso seria um direito do cidadão poder se proteger dos bandidos. O vice-presidente da Empresa Potiguar de Promoção Turística (Emprotur), Haroldo Azevedo Filho, corroborou com a postagem. "É isso mesmo, Ruy! Como pode a bandidagem armada e a população desarmada?! Temos que mudar as leis que hoje favorecem os bandidos", escreveu nos comentários.

Na conta do Instagram do secretário de Agricultura, Guilherme Saldanha, a mesma mensagem foi compartilhada defendendo que haverá mais segurança se a população estiver armada. Em nota, ele se manifestou a respeito da repercussão.

"Esclareço que se trata de um posicionamento particular que nada tem a ver com a Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Pesca, a qual ocupo o cargo de secretário. Não defendo morte de ninguém, mas sim que o combate à criminalidade passe por leis mais rígidas, começando por uma reforma em nosso Código Penal, já ultrapassado, e que em muitos casos facilita e torna impune a vida do criminoso. Nossos policiais estão nas ruas, fazendo seu trabalho com garra e determinação. O que precisamos é de modernização em nossas leis e sistema judiciário", diz a nota.

O Governo do Estado informou por meio de sua assessoria de imprensa que não iria se manifestar sobre as postagens dos perfis pessoais dos secretários.

As declarações dos secretários acontecem dentro de um contexto onde as discussões em torno do Estatudo do Desarmamento voltam à pauta da Câmara Federal. A proposta que flexibiliza o porte de arma de fogo no país foi aprovada na comissão especial há um ano. A matéria assegura a todos os cidadãos que cumprirem requisitos mínimos exigidos em lei o direito de ter a posse e o porte. Atualmente, ao requerer o registro, o interessado precisa declarar a efetiva necessidade da arma, o que permite que a licença venha a ser negada pelo órgão expedidor.

O estatuto do controle de armas de fogo revoga o estatuto do desarmamento com novas normas sobre compra, posse, porte e circulação de armas de fogo e munições. Entre as principais mudanças está o fim da exigência de estrita necessidade para registro e porte de arma. O projeto já pode ser votado pelo plenário da Câmara dos Deputados, mas ainda não tem data prevista.

As ONGs Instituto Sou da Paz, Viva Rio e a Rede Desarma Brasil lançaram nesta semana a campanha "Descontrole", que tem por objetivo alertar sobre o que as entidades veem como ameaças ao Estatuto do Desarmamento e pressionar líderes das bancadas da Câmara dos Deputados a barrarem a revogação da lei que controla a posse e uso de armas no país.